Economia

Taxas longas de juros recuam, mas riscos locais limitam melhora com exterior

Da Redação ·

A dois dias da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), a curva de juros segue pressionada pelos riscos inflacionários, fiscais e em meio também aos ruídos políticos. A melhora do humor no exterior e queda do dólar colocam os juros longos em leve queda, mas os médios curtos operam mais perto dos ajustes em meio à perspectiva de aumento de 100 pontos-base da Selic esta semana, para 5,25% ao ano, piora significativa das projeções para IPCA 2021 no relatório Focus, além de discussões sobre Bolsa Família fora do teto de gastos entre os riscos fiscais.

continua após publicidade

Às 9h32 desta segunda-feira, 2, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 estava caía para mínima de 8,97%, de 9,04% no ajuste de sexta-feira (30). O DI para janeiro de 2025 ia para 8,67%, de 8,70%, e o para janeiro de 2023 estava estável em 7,82%. Já o vencimento para janeiro de 2022 exibia taxa de 6,32%, de 6,34% no ajuste de sexta-feira.