Economia

Taxa de desocupação cai no PR pela 1ª vez desde início da pandemia

Dados da PNAD COVID19, iniciada em maio, apontam que número de paranaenses desocupados recuou em agosto

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Taxa de desocupação cai no PR pela 1ª vez desde início da pandemia
fonte: Divulgação
Taxa de desocupação cai no PR pela 1ª vez desde início da pandemia

Desde o começo dos levantamentos da Pesquisa Nacional de Domicílios (PNAD) COVID19 iniciados em maio, pela primeira vez a desocupação deu sinal de queda no Paraná. Em agosto, 645 mil pessoas estavam desocupadas no estado, cerca de 24 mil pessoas a menos que em julho (669 mil). Após duas altas seguidas (junho e julho), a taxa de desocupação caiu para 11,2%, uma queda de 4,3% na comparação com julho (11,7%). Esses são alguns dados da quarta edição da pesquisa PNAD COVID19 Mensal divulgada nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

continua após publicidade

Ainda segundo a pesquisa, no Paraná, em agosto, o número de pessoas ocupadas aumentou em 42 mil, elevando-se de 5,07 milhões para 5,11 milhões. O número de pessoas não ocupadas que não procuraram trabalho por conta da pandemia ou por falta de trabalho na localidade mas que gostariam de trabalhar na semana anterior também sofreu queda. Em agosto, esse montante foi de 440 mil pessoas, 19 mil a menos que em julho (459 mil).

O mesmo movimento descendente foi verificado também no total de pessoas ocupadas e afastadas do trabalho devido ao distanciamento social. Em julho eram 286 mil e em agosto diminuiu para 170 mil, o que representou a terceira queda seguida desde maio. Das pessoas ocupadas e afastadas do trabalho, cerca de 73 mil deixaram de receber remuneração em agosto, o que corresponde a um decréscimo de 63 mil em relação a julho (136 mil).

continua após publicidade

O levantamento também aponta um aumento na renda do paranaense em agosto. O rendimento médio real efetivamente recebido de todos os trabalhos das pessoas ocupadas foi de 2.309 reais, compondo assim o terceiro aumento consecutivo na renda desde maio, quando o rendimento médio real efetivamente recebido foi de 2.143 reais.

Outro item da pesquisa que sinalizou aumento foi a média do rendimento proveniente do auxílio emergencial recebido pelos domicílios. Em agosto, no Paraná, essa média ficou em R$ 840, R$ 20a mais do que em julho. Esse também foi um indicador que assinalou o terceiro aumento consecutivo desde maio, ocasião em que apontava a cifra de 781 reais. No Paraná, em agosto, havia cerca de 1,4 milhão  de domicílios no estado possuíam ao menos um morador que recebeu o auxílio.