MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

'Se der para fazer superávit zero, ótimo; se não der, ótimo também', diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar nesta quinta-feira, 8, as discussões envolvendo o cumprimento da meta de déficit fiscal zero. Segundo ele, "se der para fazer superávit zero, ótimo; se não der, ótimo também".Em entrevista à rádio I

Matheus de Souza e Sofia Aguiar (via Agência Estado)

·
Escrito por Matheus de Souza e Sofia Aguiar (via Agência Estado)
Publicado em 08.02.2024, 18:11:00 Editado em 08.02.2024, 18:14:47
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar nesta quinta-feira, 8, as discussões envolvendo o cumprimento da meta de déficit fiscal zero. Segundo ele, "se der para fazer superávit zero, ótimo; se não der, ótimo também".

continua após publicidade

Em entrevista à rádio Itatiaia, de Minas Gerais, o presidente afirmou que os gastos do governo vão depender da arrecadação. "Se aumentar a arrecadação, a gente tem mais dinheiro para gastar; se diminuir, você diminui o que tem que investir", disse.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem insistido na manutenção da meta fiscal de déficit primário zero neste ano e anunciado uma série de medidas para tentar aumentar a arrecadação.

continua após publicidade

O objetivo da equipe econômica de buscar equilíbrio nas contas públicas, porém, sofre resistências de setores do PT e do próprio governo.

Em outubro, Lula chegou a admitir que o governo "dificilmente" cumprirá a meta fiscal de déficit zero em 2024. "Eu não vou começar o ano fazendo um corte de bilhões nas obras que são prioritárias neste País. Eu acho que, muitas vezes, o mercado é ganancioso demais e fica cobrando a meta que eles acreditam que vai ser cumprida", disse Lula, na ocasião.

Em mensagem ao Congresso no começo deste mês, o presidente, porém, enalteceu o novo arcabouço fiscal como forma de "garantir a estabilidade da política fiscal e criar as condições adequadas ao crescimento socioeconômico".

continua após publicidade

Ele também destacou que o Orçamento de 2024 foi encaminhado ao Congresso com a meta de "resultado primário zero".

Faixa do IR

Nesta quinta, Lula também reforçou a promessa de que, até o final de seu mandato, determinará que as pessoas que ganham até R$ 5 mil sejam isentas do Imposto de Renda (IR). Segundo o petista, o governo fará reajustes na tabela todos os anos até 2026.

continua após publicidade

"Fiz uma medida provisória garantindo que quem ganha até dois (salários mínimos) não pague imposto de renda. Vamos, a cada ano, fazer até chegar a R$ 5 mil", disse. "Estou definindo que o rico tem que ir para o Imposto de Renda e que o pobre tem que ir para o Orçamento da União."

Na terça-feira, 6, o governo federal determinou um novo aumento da faixa de isenção da tabela de cobrança do Imposto de Renda. A isenção passará a valer para pessoas físicas com remuneração mensal de até R$ 2.824, valor que corresponde a dois salários mínimos.

continua após publicidade

Com o novo valor, ficarão livres de recolher o imposto na fonte cerca de 15,8 milhões de brasileiros, segundo o Ministério da Fazenda. A pasta estima que o ajuste resultará em redução de receitas de R$ 3,03 bilhões em 2024, R$ 3,53 bilhões em 2025, e R$ 3,77 bilhões em 2026.

Mercosul

Lula reconheceu nesta quinta a possibilidade de enfraquecimento do Mercosul a depender do andamento da economia da Argentina, sob o governo de Javier Milei. Na declaração, ele confirmou que, até o momento, ainda não teve contato com o argentino.

"Independentemente dos discursos que ele (Milei) faça para agradar seu povo ou seus eleitores, acho que o Mercosul é mais forte que isso. Acho que a relação Brasil e Argentina é uma relação muito forte", disse o presidente.

Lula afirmou que, apesar de não ter conversado com Milei, as instituições brasileiras e argentinas dialogam entre si e, por causa disso, não vê um prejuízo em relação ao Brasil. "Obviamente que você vai ter a possibilidade de um enfraquecimento do Mercosul a depender do comportamento da economia argentina. Mas não vejo maiores problemas com o Brasil", comentou.

Na avaliação de Lula, é preciso ver a diferença entre a teoria e a prática do governo de Milei.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "'Se der para fazer superávit zero, ótimo; se não der, ótimo também', diz Lula"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!