MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

Santander/Ana Vescovi: País precisa de superávit fiscal de ao menos 1% para estabilizar dívida

O Brasil precisa não só zerar o déficit fiscal para estabilizar a dívida pública, mas fazer "um certo nível de superávit", de ao menos 1% do Produto Interno Bruto (PIB), avalia a economista-chefe do Santander Brasil, Ana Paula Vescovi.O déficit fiscal est

Altamiro Silva Junior* (via Agência Estado)

·
Escrito por Altamiro Silva Junior* (via Agência Estado)
Publicado em 31.10.2023, 08:35:00 Editado em 31.10.2023, 08:38:37
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

O Brasil precisa não só zerar o déficit fiscal para estabilizar a dívida pública, mas fazer "um certo nível de superávit", de ao menos 1% do Produto Interno Bruto (PIB), avalia a economista-chefe do Santander Brasil, Ana Paula Vescovi.

continua após publicidade

O déficit fiscal estimado para este ano é de 1% do Produto Interno Bruto (PIB). "Não basta estabilizar o déficit, precisa alcançar superávit de ao menos 1% do PIB", disse a jornalistas em evento paralelo à conferência mundial do Santander.

"A principal fragilidade do Brasil é fiscal", disse ela. Na sexta-feira passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o governo não vai conseguir zerar o déficit em 2024.

continua após publicidade

Se a situação fiscal é ruim, a atividade econômica está melhor. "Fomos surpreendidos por um crescimento econômico mais favorável, que deve ficar entre 2,5% a 3% este ano", disse a economista. Uma das razões é uma super safra agrícola, principalmente na soja. Só o PIB agrícola, a expansão deve ser de 13,5% este ano, prevê o banco espanhol.

Se este ano terá maior crescimento em 2023 do que inicialmente se previa, 2024 deve ser ano de ajuste. Alta da inadimplência das famílias começa a ceder, a inflação deve seguir em dinâmica bem benigna, com o IPCA chegando a 3,8% ao final de 2024. Com isso, o Banco Central deve seguir cortando os juros, com a taxa terminal chegando ao final do próximo ano em 9,5%, a depender também dos próximos passos do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

"Eu diria que uma situação externa como poucos países têm hoje", disse ela, citando que o superávit comercial pode superar US$ 85 bilhões, o que permite cobrir os déficits da conta corrente, além de receber entre US$ 60 bilhões e US$ 70 bilhões em investimento externo direto. "O Brasil tem uma situação externa sólida, mas uma posição fiscal frágil."

continua após publicidade

Para 2024, a boa notícia, disse a economista, é que a safra agrícola deve se manter positiva, com alguma recuperação também na pecuária. "Brasil tem desafio econômico sim, mas está muito bem posicionado em questões de transição energética", afirmou a economista do Santander.

*O jornalista viajou a convite do Santander

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Santander/Ana Vescovi: País precisa de superávit fiscal de ao menos 1% para estabilizar dívida"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!