Economia

Saída de Teich pesa por componente político e Ibovespa fecha nos 77 mil pontos

Da Redação ·

O clima político voltou a pesar nos negócios, que já mostravam cautela com o mau humor visto no mercado acionário em Nova York, uma vez que o presidente americano Donald Trump segue na queda-de-braço com a China. Assim que o pedido de exoneração do agora ex-ministro da Saúde Nelson Teich veio à tona, no final da manhã, o Ibovespa estabeleceu sua própria dinâmica de queda e assim se manteve durante toda a sessão desta sexta-feira, 15.

continua após publicidade

Nem conseguiu desencostar muito da mínima do dia (77.426,10 pontos) e encerrou aos 77.556,62 pontos, em queda de 1,84%. Com isso, acumulou perdas de 3,37% na semana e de 3,66% em maio. O volume financeiro foi de R$ 25,9 bilhões. Nem mesmo a alta do petróleo no mercado internacional ajudou a Petrobras, cujas ações preferenciais encerraram em queda de 1,44%.

Após certo alívio ontem, quando foi visto como positivo o aceno para uma reaproximação dos presidentes da República, Jair Bolsonaro, com o da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), hoje o índice sucumbiu com a cautela dos investidores por esse vai-vem político. "O 'turn over' dos ministros não é nada bom, pelo contrário, é muito ruim toda essa instabilidade, considerando também a relação do governo federal com os estados e os outros poderes, ressalta Marco Tulli, superintendente das mesas de operação da Necton, para quem essa situação prejudica as perspectivas de retomada do crescimento.

continua após publicidade

Para Raphael Figueredo, da Eleven Financial Research, a dinâmica política local ficou mais latente hoje e se sobrepõe, inclusive, às notícias micro, com alguns resultados corporativos que podiam trazer certa melhora. Segundo ele, a Bolsa local passa por um período de três semanas a que chama de 'consolidação de preços', quando o mercado não apresenta fluxo de entrada de recursos e os papéis vão apenas trocando de mãos.

"Ainda que os preços estejam consolidados, há uma configuração não muito positiva para o curto prazo. É uma fase de mercado cauteloso, baixo volume, muita volatilidade no intraday, praticamente atropelando os fundamentos", explica Figueredo.

Tulli, da Necton, afirma que o Ibovespa ainda está conseguindo manter algum suporte nessa região está relacionado ao fato de uma taxa de juros historicamente baixa, o que ajuda bastante a atrair uma parcela de compradores. Além disso, completa, há uma flexibilização da área econômica do governo e das empresas sobre o entendimento da pandemia, estendendo pagamentos. "E isso será seguindo de uma deflação no médio prazo e tudo acaba por ajudar a drástica situação de guerra", diz.