Economia

Riscos ligados à pandemia podem implicar retomada ainda mais gradual, aponta ata

Da Redação ·

Ao decidir pela manutenção da Selic (a taxa básica de juros) em 2,00% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou que a imprevisibilidade e os riscos associados à evolução da pandemia de covid-19 no Brasil podem levar a uma recuperação "ainda mais gradual" da economia doméstica. Com isso, as pressões desinflacionárias devem ter duração maior.

continua após publicidade

Apesar dos dados recentes mostrarem uma recuperação parcial da atividade econômica, o documento repete que vários segmentos do setor de serviços permanecem bastante deprimidos. "Os programas governamentais de recomposição de renda têm permitido uma retomada relativamente forte do consumo de bens duráveis e do investimento", avaliou o Copom. "Prospectivamente, a pouca previsibilidade associada à evolução da pandemia e à necessária redução nos auxílios emergenciais a partir do final desse ano aumentam a incerteza sobre a velocidade de retomada da atividade econômica", completou a ata.

Para o BC, a pandemia de covid-19 deve continuar a ter efeitos heterogêneos sobre os diversos segmentos econômicos, com o setor de serviços mantendo uma ociosidade maior que os demais.

continua após publicidade

"O Comitê concluiu que a natureza da crise provavelmente implica que pressões desinflacionárias provenientes da redução de demanda podem ter duração maior do que em recessões anteriores", completou o BC.