Mais lidas

    Economia

    Economia

    Risco fiscal no Brasil e exterior misto impedem alta da B3; varejo limita queda

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 13.04.2021, 10:59:00 Editado em 13.04.2021, 11:03:27
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    Sinais mistos das bolsas internacionais e renovadas preocupações com o risco fiscal no Brasil impedem nesta terça-feira uma nova valorização do Ibovespa, que, na segunda-feira, fechou na máxima aos 118.811,74 pontos (alta de 0,97%). No Brasil, o debate em relação às contas públicas ganhou um novo ingrediente, após reportagem exclusiva do Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostrar que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para definir o Orçamento deste ano e liberar programas de combate aos efeitos da covid-19 prevê até R$ 18 bilhões em obras fora do teto de gastos.

    "Ainda não existe um posicionamento oficial sobre esta PEC. Pode ser apenas um balão de ensaio para se avaliar a reação dos investidores", afirma nota da MCM Consultores.

    Conforme a MCM, esse tipo de saída pode reduzir ainda mais a credibilidade do governo na condução da política fiscal, o que resultará em maiores prêmios de risco e num real mais depreciado. Do ponto de vista da política monetária, acrescenta, pode alterar os planos do Banco Central de normalização parcial se as expectativas de inflação começarem a desancorar.

    Às 10h41, o Ibovespa cedia 0,42%, aos 118.309,73 pontos, após mínima aos 118.041,14 pontos. Na máxima intradia, marcou 118.813,01 pontos.

    Já em Nova York, as bolsas seguiam sem direção: Nasdaq subia 0,67% e Dow Jones (-0,53%) e S&P 500 (-0,04%) caíam, com investidores avaliando o índice de preços ao consumidor (CPI) americano de março, considerado relativamente dentro do esperado.

    "De certa forma, os números estão em linha com o esperado, dando a sensação de que a inflação está sob controle, sem pressionar o juro, o Fed por enquanto", avalia Bruno Takeo, gestor da Ouro Preto Investimentos.

    Além disso, Takeo destaca o resultado melhor do que o esperado das vendas do varejo em fevereiro no Brasil. "É um desempenho importante alta, pois tem ido muito mal desde que começaram as restrições para conter avanço da pandemia de covid-19", diz.

    No horário citado, acima, Pão de Açúcar liderava a lista de maiores ganhos do Ibovespa, com 7,57%. A alta reflete principalmente a notícia de que o grupo varejista francês Casino Guichard-Perrachon, controlador do Grupo Pão de Açúcar (GPA) no Brasil, revelou que estudará possíveis aumentos de capital em suas subsidiárias GreenYellow e Cdiscount. B2W ON (2,34%) e Lojas Americanas PN (1,63%) também eram outras varejistas com alta.

    Na B3 também chama a atenção a queda das ações da Petrobras na faixa de 0,40%, enquanto o petróleo sobe quase 1% no mercado internacional, diante da tensão no Oriente Médio. O investidor segue de olho nas mudanças na estatal após a chegada do novo presidente e após uma eleição tumultuada para o Conselho de Administração da companhia. Há informações de que os acionistas terão de se reunir de novo para que os membros do grupo sejam escolhidos novamente.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Risco fiscal no Brasil e exterior misto impedem alta da B3; varejo limita queda"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.