Economia

Riachuelo vai até a consumidora para reposicionar marca

Da Redação ·

Desde que a pandemia começou, as pessoas mudaram seu jeito de se vestir. Saltos altos e calças sociais deram lugar a moletons, pijamas e roupas largas para usar tanto em casa quanto para dar um volta na rua. A mudança foi tão dramática que os varejistas de moda tiveram um choque: viram coleções inteiras encalhar nas araras. Afinal, comprar roupa deixou de ser uma prioridade.

continua após publicidade

Na Riachuelo, uma das maiores redes do setor no Brasil, esse choque, agora, está sendo a linha condutora de um reposicionamento de marca que tenta entender o novo comportamento de consumo.

"Não vamos mudar logo nossa identidade corporativa, mas sim nosso jeito de elaborar as coleções, uma vez que as ocasiões de uso agora são totalmente diferentes. A relação que as consumidoras têm com a moda também mudou", diz Elio Silva, diretor executivo de canais e marketing da Riachuelo.

continua após publicidade

Em 2014, a empresa fez alterações, após 15 anos, inclusive no logotipo. Abriu lojas em lugares nobres, como a Oscar Freire. A ideia era fazer frente a varejistas internacionais que desembarcavam no Brasil: Gap, Forever21, entre outras.

Agora a Riachuelo não quer mais se inspirar no que é feito na moda lá fora. Montou um painel com mais de 1,7 mil mulheres de todo o País para pesquisar o que a brasileira quer vestir. "Também estamos conectados ao que se fala nas redes sociais e fazemos 'hunting' (observação) nas ruas", diz Silva.

"Vender roupas está mais difícil. Por isso decidimos mudar e prestar mais atenção na consumidora. Vimos que as pessoas querem usar em casa uma roupa confortável e que dê para sair com ela para rua, se for preciso. Também notamos que nunca se usou tanto tênis como agora. E sapatilhas", afirma Silva. "As pessoas querem usar moletom, mas não aquele supermolenga, que marca no joelho quando a pessoa senta. Precisa ter um pouquinho de estrutura."

continua após publicidade

A Riachuelo, que produz em duas fábricas no Brasil em média 65% de tudo que a rede vende, leva aí uma vantagem. Ela tem mais velocidade para mudar tecidos e modelos conforme seja preciso. E sua exposição ao dólar também fica menor.

Por isso, a regra agora é olhar para a brasileira e não mais impor tendências de fora às consumidoras de moda feminina. "É por isso que estamos lançando agora um novo slogan: 'Riachuelo segue você'", diz o diretor.

A loja - e o site - também não vão mais obedecer a calendários fixos de coleção, como outono-inverno, primavera-verão. A ideia é ficar antenado com o que acontece. Se uma influenciadora lança algo hoje, que pega - ou se alguém na TV começa a usar uma peça específica que cai no gosto do público - a companhia tem como correr atrás da tendência e colocar o item nas araras de suas lojas em questão de dias.

continua após publicidade

A estratégia, porém, não é nova. Desde 2019 a rival C&A faz isso com a plataforma C&A Mindset, que lança online uma coleção diferente toda semana.

Mas o que a Riachuelo está se propondo com esse reposicionamento vai além. A empresa quer ser rápida sem ser "fast-fashion", diz Silva.

continua após publicidade

"Estamos usando matérias-primas melhores. Implementando processos mais sustentáveis. Queremos entregar uma peça de maior valor percebido, que dure mais, que seja usada mais vezes", explica o executivo.

Isso, porém, pode ser arriscado. Uma pesquisa sobre empresas varejistas de roupas, o Índice Zara, feita pelo Banco BTG Pactual em janeiro, mostrou que a indústria da moda nacional é a sétima mais cara do mundo para se comprar roupas. Comparando os preços de 12 produtos de vestuário em lojas Zara de 50 diferentes países, o Brasil fica atrás apenas de África do Sul, Rússia, Índia, Turquia, Tailândia e Vietnã.

"A indústria da moda está tentando se reencontrar depois da pandemia", diz Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail e especialista no setor. "A moda depende da vida social e ela não está acontecendo."

continua após publicidade

Por isso, segundo ele, estar conectado com o que os consumidores querem - ou não querem - é um acerto. "Ter um modelo de negócios mais azeitado, que responda rápido ao que o consumidor quer é essencial. Não temos mais espaço para ficar antecipando o calendário, criando agora a coleção de inverno de 2022 e permanecer rígido a esse conceito", diz.

Música de lançamento

O lançamento da nova campanha da Riachuelo já está acontecendo, na prática, mas de forma velada.

A primeira ação da marca foi a criação de uma música (Te Sigo Somando), com as cantoras Malia, Giulia Be e Simaria. Tanto as cantoras quanto o estúdio que assina a produção musical da faixa foram "brifados" pelos executivos da Riachuelo para que a letra e o ritmo mostrassem esse novo posicionamento da marca, com mais aproximação com a consumidora.

"No entanto, em nenhum momento a letra ou as cantoras falam de Riachuelo", explica o executivo de canais e marketing da empresa.

A música foi lançada no início do mês. A campanha, aí sim usando a música e mostrando a ligação da marca com as cantoras, começa a ser veiculada nesta segunda-feira.

A criação é do time interno da Riachuelo em parceria com as agências Yone (planejamento), Magenta (criação), Future Brand (posicionamento), We e I-Cherry (mídia), Musickeria (assessoria editorial do lançamento da música) e Soko (ativações digitais). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.