Economia

Quatro de cinco atividades de serviços têm queda em outubro ante setembro

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Quatro das cinco atividades de serviços registraram perdas na passagem de setembro para outubro, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na média global, o volume de serviços prestados encolheu 1,2% em outubro ante setembro.

continua após publicidade

Os destaques negativos foram os serviços de informação e comunicação (-1,6%) e o segmento de outros serviços (-6,7%).

As demais quedas ocorreram em serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,8%) e transportes (-0,3%).

continua após publicidade

A única taxa positiva do mês foi a dos serviços prestados às famílias, que subiram 2,7% em outubro, acumulando uma alta de 57,3% em sete meses seguidos de crescimento.

Comparação interanual

Em contrapartida, segundo o IBGE, quatro das cinco atividades de serviços registraram avanços em outubro de 2021 em relação a outubro de 2020. O volume do setor de serviços teve uma alta de 7,5%, o oitavo resultado positivo consecutivo.

continua após publicidade

Entre os setores, as principais contribuições positivas partiram de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (9,9%) e de serviços de informação e comunicação (6,5%).

Os demais avanços ocorreram nos serviços prestados às famílias (26,4%) e nos profissionais, administrativos e complementares (4,7%).

A única taxa negativa foi registrada pelo setor de outros serviços (-6,1%), derrubado pela menor receita de empresas de corretores e agentes de seguros, de previdência complementar e de saúde; de atividades de pós-colheita; e de reparação e manutenção de computadores e de equipamentos periféricos.

continua após publicidade

Difusão

O índice de difusão - que mostra o porcentual de serviços com crescimento em relação ao mesmo mês do ano anterior - passou de 73,5% em setembro para 64,5% em outubro.

"Notem que há perda de ritmo em relação aos meses anteriores. Ainda que expressivo, foi o menor porcentual (de produtos em alta) desde março (44,6%)", apontou Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa do IBGE.