Economia

Projeção para IPCA 2021 no cenário básico está em 6,5%, diz ata do Copom

Da Redação ·

A ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada nesta terça-feira, 10, indicou que a projeção para o IPCA de 2021 no cenário básico está em 6,5%. Este cenário pressupõe a taxa de juros variando conforme a pesquisa Focus e o câmbio partindo de R$ 5,15 e evoluindo conforme a Paridade do Poder de Compra (PPC). Para 2022, a projeção está em 3,5% e, para 2023, em 3,2%.

continua após publicidade

Essas estimativas já constaram no comunicado da semana passada, quando o Copom aumentou a Selic (a taxa básica de juros) em 1,00 ponto porcentual, para 5,25% ao ano. Foi a quarta elevação consecutiva. Na ocasião, o BC também indicou a intenção de novo aumento da Selic no encontro de 21 e 22 de setembro.

Para o cálculo das projeções, o BC utilizou taxa de câmbio partindo de R$ 5,15, que é a média da taxa de câmbio observada nos cinco dias úteis encerrados no dia 30 de julho.

continua após publicidade

Em setembro do ano passado, durante a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), o BC havia anunciado que pretendia dar preferência ao câmbio PPC em suas projeções, e não mais ao câmbio fixo ou baseado no Focus.

Na ata da reunião anterior, de 15 e 16 de junho, as projeções de inflação no cenário básico (juros Focus e câmbio PPC) eram de 5,8% para 2021 e 3,5% para 2022.

O Copom reafirmou por meio da ata que seu cenário básico para a inflação tem fatores de risco "em ambas as direções" - ou seja, na direção de baixa e de alta para a inflação.

continua após publicidade

"Por um lado, uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento recente nos preços das commodities internacionais em moeda local produziria trajetória de inflação abaixo do cenário básico", disse o BC no documento. "Por outro lado, novos prolongamentos das políticas fiscais de resposta à pandemia que pressionem a demanda agregada e piorem a trajetória fiscal podem elevar os prêmios de risco do País. Apesar da melhora recente nos indicadores de sustentabilidade da dívida pública, o risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária." Essas ideias expressas na ata já constaram no comunicado da semana passada.

Componentes voláteis

A ata reafirma que existem novas pressões em "componentes voláteis" da inflação, como nos custos de energia elétrica e de alimentos. Além disso, o BC pontuou que a inflação ao consumidor "continua se revelando persistente".

continua após publicidade

"Os últimos indicadores divulgados mostram composição mais desfavorável", registrou o BC no documento. "Destacam-se a surpresa com o componente subjacente da inflação de serviços e a continuidade da pressão sobre bens industriais, causando elevação dos núcleos."

Ao tratar das novas pressões em componentes voláteis, o BC citou "a possível elevação do adicional da bandeira tarifária e os novos aumentos nos preços de alimentos, ambos decorrentes de condições climáticas adversas". "Em conjunto, esses fatores acarretam revisão significativa das projeções de curto prazo", acrescentou a instituição.

continua após publicidade

Na ata, o Banco Central também repetiu a ideia, na expressa no comunicado da semana passada, de que "as diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação".

Preços administrados

O Banco Central projeta uma elevação de 10,0% nos preços administrados em 2021, considerando seu cenário básico, com juros variáveis e câmbio conforme a Paridade do Poder de Compra. No caso de 2022 e 2023, o porcentual projetado é de 4,6%.

A ata da última reunião do Copom reitera que o cálculo considera uma hipótese neutra para a bandeira tarifária de energia elétrica, que se mantém em "vermelha patamar 1" em dezembro de cada ano-calendário. Essas estimativas já constaram no comunicado da semana passada. Na ata do encontro anterior do Copom, ocorrido em junho, as projeções para os preços administrados indicavam alta de 9,7% em 2021 e 5,1% em 2022.