Economia

Produtores relatam perdas de até 70%

Da Redação ·

Quando a geada cobriu de branco os campos de Capão Bonito, no interior de São Paulo, no dia 20 de julho deste ano, o agricultor Edson Sukessada tinha 275 hectares de trigo soltando cachos. A expectativa era de uma produção de 75 sacas por hectare. Ontem, 20 dias depois, ele contabilizava a perda total da produção em 200 hectares.

continua após publicidade

"Houve dano na estrutura da planta, e os cachos estão morrendo. Não vai dar colheita", disse. A perda é de 15 mil sacas, prejuízo superior a R$ 1 milhão.

A geada atingiu também os 600 hectares cultivados com milho safrinha pelo produtor na mesma região. "As áreas mais velhas, que já estavam bem formadas, tiveram quebra de 5%. Já as mais novas, que plantamos até o limite da janela (período ideal para o cultivo), em 20 de março, tiveram perdas maiores, que vão de 50% a 70%. Creio que, na média, vamos fechar a colheita do milho safrinha com perda de 30% ou mais", disse Sukessada.

continua após publicidade

Conforme o agrônomo Nélio Uemura, da Cooperativa Agrícola de Capão Bonito, a região tem um bom regime de chuvas e é menos sujeita à estiagem, mas sentiu bastante os efeitos das geadas deste ano. "Nossos cooperados cultivaram cerca de 6,5 mil hectares de trigo e 70% dessa área estão condenados e não haverá colheita."

Em Gaúcha do Norte, Mato Grosso, o agricultor Ari Baltazar Langer, produtor de grãos, sofreu prejuízo dobrado em razão das condições climáticas. Em fevereiro, quando colhia a soja cultivada em 3,4 mil hectares, a chuva incessante causou a perda do grão pronto para a colheita. "Do início ao fim da colheita, que durou 50 dias, choveu em 48 dias. Teve carga de soja com perda de 99% devido ao excesso de umidade. Ele esperava média de 55 sacas por hectare e colheu 35.

Langer contava com a safra do milho para se recuperar do prejuízo. Ele caprichou na escolha das sementes, usou toda a tecnologia disponível para o manejo das lavouras, porém, outra vez São Pedro não ajudou. Agora, foi a seca que atingiu os 950 hectares de milharal.

continua após publicidade

"Foram dias e dias de sol sem um pingo de água. A lavoura não desenvolveu", disse. Ele esperava uma média de 80 sacas por hectare e só conseguiu 35. "Para o produtor rural, está sendo um ano muito difícil."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.