MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

Pressão do governo coloca à prova política do BC para juro

O Banco Central (BC) decide nesta quarta-feira, 1º, os rumos da taxa básica de juros "emparedado" entre o forte aumento das expectativas de inflação e as críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de ministros ao atual patamar da Selic, índice que

Thaís Barcellos (via Agência Estado)

·
Escrito por Thaís Barcellos (via Agência Estado)
Publicado em 01.02.2023, 08:29:00 Editado em 01.02.2023, 08:34:41
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

O Banco Central (BC) decide nesta quarta-feira, 1º, os rumos da taxa básica de juros "emparedado" entre o forte aumento das expectativas de inflação e as críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de ministros ao atual patamar da Selic, índice que baliza todos os empréstimos. Lula também já reclamou publicamente da atual meta de inflação, que considera baixa.

continua após publicidade

Entre economistas consultados pelo Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, há consenso sobre a manutenção dos juros básicos em 13,75% ao ano. Eles também esperam que o comunicado que será emitido após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) reforce a preocupação com os rumos da inflação e com a sustentabilidade das contas públicas, enquanto cresce a cobrança para que o governo implemente um programa de corte de gastos públicos.

Nas últimas semanas, o mercado tem divulgado projeções de alta nos preços. Para economistas, trata-se de uma "inflação contratada", o que deve obrigar o BC a manter a Selic em patamares elevados por um período maior do que o previsto - e sem descartar a possibilidade de novos aumentos. Expectativas de inflação mais altas fazem os investidores exigirem taxas de juros maiores, impactando o custo de captação de empresas e do governo. Além disso, juros básicos altos encarecem o crédito e inibem o consumo da população.

continua após publicidade

No Boletim Focus desta semana, usado como uma variável no modelo de inflação do Copom, as estimativas do mercado para o IPCA continuaram se distanciando das metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). A estimativa para 2023 subiu pela sétima vez seguida, saltando de 5,48% para 5,74% (quase um ponto porcentual acima do teto da meta, de 4,75%), enquanto a projeção para 2024 foi de 3,84% para 3,9%.

Desvio

Com o aumento das expectativas de inflação e um resultado pior no IPCA-15 de janeiro (que subiu 0,55%), o economista-chefe da Daycoval Asset, Rafael Cardoso, passou a projetar o início da queda da Selic só para setembro, e não mais em agosto, com a taxa terminando 2023 em 12,50%, e 2024, em 9%. O economista-chefe do Banco Alfa, Luis Otavio Souza Leal, disse apostar em uma Selic a 12,25% no fim do ano. Já o economista João Fernandes, sócio da Quantitas Asset, prevê que os juros devem ficar em 13,75% durante 2023, com um corte só no primeiro semestre de 2024.

continua após publicidade

Segundo Fernandes, o Copom deve trazer em seu comunicado alertas relacionados à política fiscal, vetor que também tem provocado a piora das expectativas inflacionárias. "O BC já deixou claro que o ambiente mais adverso no âmbito fiscal pode afetar a política monetária", disse Fernandes. "O Copom já vem mostrando um tom de bastante preocupação. A tendência é de manutenção desse discurso, sem implicações para a trajetória de política monetária."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

Deixe seu comentário sobre: "Pressão do governo coloca à prova política do BC para juro"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
Compartilhe! x

Inscreva-se na nossa newsletter

Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!