Economia

Política monetária é capaz de levar inflação à meta, diz presidente do BC

Da Redação ·

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reforçou nesta segunda-feira que a política monetária atual é capaz de levar a inflação para a meta no horizonte relevante. "É importante endereçar inflação de forma séria. É o pior mal para o crescimento e emprego", disse, em entrevista à live do jornal Valor Econômico.

continua após publicidade

Campos Neto afirmou que os números de inflação estão alta em vários países, com as últimas divulgações surpreendendo para cima.

Ele ainda destacou que o BC brasileiro iniciou mais cedo o ajuste dos juros, mas que, no mundo emergente, a tendência geral é de aperto monetário.

continua após publicidade

Segundo Campos Neto, há um deslocamento estrutural para consumo de bens, que gastam mais energia para a produção, ao mesmo tempo em que há muitos países limitando a produção de energia devido a esforços para economia mais verde.

No Brasil, o presidente do BC destacou que a crise hídrica tem impactado os preços de energia, que têm efeito de disseminação na cadeia.

2022

continua após publicidade

Campos Neto disse também que a inflação subiu mais rápido do que ele esperava, mas enfatizou que a política monetária está mirando em 2022. "A forma de gerar credibilidade é perseguir a meta. É importante debelar esse processo de inflação e desancoragem", afirmou.

Ele ressaltou que o BC toma as decisões com as variáveis que tem no momento. "Olhando agora, a inflação subiu mais rápido que eu esperava. O cenário que esperávamos não se concretizou, mas houve choques de preço", completou.

No evento, Campos Neto voltou a dizer que é preciso "virar a página" de qual será a "equação fiscal" para financiamento da expansão que o governo pretende no Bolsa Família, que vem gerando ruídos no mercado.