Economia

PF vasculha 61 endereços em operação contra fraudes tributárias

Da Redação ·

A Polícia Federal (PF) abriu nesta terça-feira, 28, a Operação Blindagem Metálica para desmontar uma organização criminosa que teria sonegado R$ 4 bilhões nos últimos cinco anos por meio de um esquema operado no ramo da reciclagem e produção de alumínio. Ao todo, 280 policiais federais foram deslocados para o cumprimento de 61 mandados de busca e apreensão na capital e no interior paulista (Sorocaba, Mogi Mirim e São José dos Campos), no Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Santa Catarina e Minas Gerais. As ordens foram expedidas pela Justiça Federal em Taubaté (SP).

continua após publicidade

A investigação foi aberta em 2018 e identificou que CNPJs 'laranjas' eram usados para emitir notas fiscais falsas, simulando compra e venda de sucata de alumínio e alumínio bruto, com o objetivo de gerar créditos fiscais fictícios às empresas do grupo principal investigado.

Nos últimos três anos, as autoridades identificaram uma tentativa da organização criminosa de expandir o poder econômico, por meio da aquisição de outras empresas do setor para também torná-las sonegadoras.

continua após publicidade

Na tentativa de dar aparência de legalidade ao esquema e de burlar os órgãos de fiscalização, o grupo fazia ajustes no fluxo de quantidade de produtos de interesse, notas fiscais, pagamentos e até simulava o transporte de mercadorias inexistentes.

"Para dar maior credibilidade a essas transações de compra e venda, o grupo mantinha um complexo esquema de pagamentos e recebimentos de notas fiscais das empresas "blindadoras" e "noteiras", com o objetivo de simular a operação mercantil e dificultar o rastreamento pelo fisco", explica o Ministério Público Federal, que também participa da investigação ao lado da Receita Federal, Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Os crimes investigados são de sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso e fraude tributária. As fraudes são estimadas em aproximadamente R$ 800 milhões anuais, sendo que R$ 300 milhões se referem a tributos federais (IPI, PIS e Cofins) e R$ 500 milhões a tributos estaduais (ICMS).