Economia

Petrobras diz em nota que é sensível a momento que País e o mundo enfrentam

Denise Luna (via Agência Estado) · GoogleNews

Siga o TNOnline
no Google News

Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A Petrobras não cedeu às pressões do governo e de autoridades ligadas ao presidente da República, Jair Bolsonaro, e anunciou aumento dos preços do diesel e da gasolina nesta sexta-feira, 17. Em nota enviada à imprensa, a estatal afirmou que "é sensível ao momento que o Brasil e o mundo enfrentam", de alta de preços, rebatendo declarações que vêm sendo feitas nas últimas semanas por Bolsonaro.

continua após publicidade

Nesta sexta-feira, o presidente afirmou que "a Petrobras pode mergulhar o Brasil num caos", e relembrou a greve dos caminhoneiros de 2018, que parou o Brasil.

Na quinta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), chegou a dizer que a Petrobras "declarou estado de guerra ao povo brasileiro", e que a empresa age como "inimiga do Brasil".

continua após publicidade

Já o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, do mesmo partido de Lira, disse que a Petrobras "não é de seus diretores. É do Brasil".

Em nota, a estatal explicou nesta sexta que busca o equilíbrio de preços com o mercado global, e evita trazer a instabilidade do mercado internacional para o País, tanto que manteve o preços da gasolina congelado por 99 dias e do diesel por 39 dias, prática que não é comum a outros fornecedores no Brasil e nem fora do País.

A Acelen, por exemplo, única refinaria de grande porte privada brasileira, reajusta os preços semanalmente.

continua após publicidade

Após 99 dias congelado, o preço da gasolina será reajustado no sábado, 18, pela Petrobras, passando a custar R$ 4,06 o litro nas refinarias da estatal, uma aumento de 5,2%. O diesel, há 39 dias sem aumento, passou a custar R$ 5,61 o litro, alta de 14,2%.

Os reajustes refletem a disparada dos preços dos derivados no mercado internacional, seguindo a alta do petróleo e refletindo maior demanda e o fechamento de refinarias em meio à guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

Ainda na mesma nota, a estatal disse que o mercado de energia passa por um momento desafiador, pelo impacto da recuperação econômica e da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que reduziram a oferta e aumentaram a demanda, principalmente por diesel.

Em resposta às críticas do governo a empresa explicou também, que apesar de impactar os preços, a conjuntura tem gerado recursos públicos bilionários, destacando que em 2021 pagou R$ 203 bilhões entre impostos, royalties e participações especiais, e que este ano, até julho, vai desembolsar R$ 32 bilhões para os cofres públicos.