Economia

Petrobras ajusta contrato de venda do Campo de Baúna por conta da pandemia

Da Redação ·

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras informou que ajustou os termos do contrato de venda do Campo de Baúna (BM S-40), localizado em águas rasas na Bacia de Santos, para a australiana Karoon Energy, por conta do impacto causado pela pandemia do novo coronavírus e as dificuldades de atendimento às condições que haviam sido inicialmente definidas.

continua após publicidade

De acordo com a petrolífera, os ajustes são em relação ao prazo das duas parcelas que a Karoon tem que pagar pela transação, de valor total US$ 665 milhões, anunciada em julho de 2019. A primeira prestação, de US$ 380 milhões, conta com US$ 49,9 milhões já pagos pela empresa australiana em 24/07/2019, e US$ 150 milhões, que no acordo original seria pago na data da fechamento da venda, teve prazo estendido em até 18 meses após a conclusão da transação. Uma segunda parcela contingente, de US$ 285 milhões, será quitada até 2026.

"Essa operação está alinhada à estratégia de otimização de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, passando a concentrar cada vez mais os seus recursos em águas profundas e ultraprofundas, onde a Petrobras tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos", diz a Petrobras. O Campo de Baúna iniciou suas operações em fevereiro de 2013 e produz atualmente cerca de 16 mil barris de óleo por dia através do FPSO Cidade de Itajaí.