Economia

Perda de água no sistema de distribuição é de 39,2%, com avanço em relação a 2018

Da Redação ·

O Brasil ainda convive com alto índice de perda de água no sistema de distribuição, de 39,2% - número que inclusive subiu entre 2018 e 2019. O dado representa a água disponibilizada que não foi contabilizada como volume utilizado pelos consumidores, seja por vazamentos, falhas nos sistemas de medição ou ligações clandestinas.

continua após publicidade

Apesar de ser um problema inerente ao abastecimento, o nível é considerado excessivo, sendo um dos gargalos do setor de saneamento no Brasil, já que a redução de perdas significaria maior eficiência das empresas prestadoras de serviços e menor desperdício de recursos naturais. O dado é retirado do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), cujos números de 2019 foram divulgados nesta terça-feira, 15, pelo Ministério do Desenvolvimento Regional.

O Coordenador Geral de Gestão Integrada na Secretaria Nacional de Saneamento, Luiz Antonio Pazos Moraes, chamou atenção não só para o fato de o número ser alto, mas também para o crescimento do indicador. No SNIS de 2019, o índice de perdas era de 38,5%. "Isso para nós é muito preocupante, está aumentando, é uma deficiência grande, nossos colegas da ANA começam a ligar as antenas", disse Moraes.

continua após publicidade

Incumbida pelo novo marco legal do saneamento para editar normas de referência para o setor, a Agência Nacional de Águas (ANA) tem como uma das missões elaborar regras para redução progressiva e controle da perda de água. Segundo a proposta de agenda regulatória do órgão, as diretrizes para esse assunto devem ser publicadas em 2022.

Novos dados.

Segundo o SNIS de 2019, 83,7% da população é atendida com rede de água. Houve pouco avanço em relação a 2018, em que o índice era de 83,6%. O nível de investimento em sistemas de água também variou pouco, de R$ 5,75 bilhões para R$ 5,76 bilhões no ano passado. Os dados sobre abastecimento de água pelo Brasil consideram as respostas de 5.191 municípios que participaram da pesquisa, 93,2% do total.

Em relação aos prestadores dos serviços, o quadro também é muito similar ao de 2018, com apenas 8,7% de empresas privadas. O governo espera que essa proporção mude a partir da aprovação do novo marco legal, sancionado em julho, que abre espaço para a iniciativa privada atuar com mais força no setor, ao obrigar que os municípios abram licitações quando forem delegar os serviços de saneamento.