Economia

Para Comsefaz, conta de estabilização é solução imediata para combustíveis

Da Redação ·

O presidente do Comitê Nacional de Secretários de Fazenda (Comsefaz), Décio Padilha, defendeu a criação de uma conta de estabilização de preços de combustíveis, com recursos dos dividendos pagos pela Petrobras, como "solução imediata" para a alta de preços no setor.

continua após publicidade

Após reunião com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), Padilha defendeu que os Estados já fizeram sua "cota de sacrifício" ao congelar a alíquota de ICMS sobre combustíveis, o que resultou em uma renúncia de R$ 37 bilhões de arrecadação neste ano.

Ele ressaltou que, de novembro a abril, os Estados deixaram de tributar mais de R$ 16 bilhões. "Se há aumento na arrecadação do ICMS é por consumo de combustíveis, não de valores, já que o valor está congelado. e ICMS está congelado, como combustíveis continuam aumentando?", afirmou. "Dizer que estados não fazem sacrifício e desconsiderar o peso do ICMS na arrecadação".

continua após publicidade

Padilha disse que haverá uma reunião com governadores e, no fim de junho, do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), para decidir se será mantido o congelamento do ICMS sobre gasolina, etanol e GLP, que vale até o fim daquele mês. "Será debatido se vai manter congelamento ou fixar alíquota única de ICMS", completou.

Guerra

O presidente do Comsefaz afirmou ainda que é necessário debater a política de preços da Petrobras no momento como o atual que vive o globo. "Política de preço não pode ser suspensa em momento de guerra?", questionou.

Ele refutou a ideia de que os Estados podem contribuir mais para solucionar a questão dos preços de combustíveis e ressaltou que a estatal precisa fazer investimentos em refinarias. "Se Petrobras não conseguiu vender refinarias, tem que investir nelas", completou.