Economia

Opep mantém previsão de alta na demanda global por petróleo em 4,2 milhões de bpd

Da Redação ·

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) segue prevendo que a demanda global por petróleo avançará 4,2 milhões de barris por dia (bpd) em 2022, para um total de 100,8 milhões de bpd, segundo relatório mensal publicado nesta quinta-feira, 10.

continua após publicidade

Para o resultado de 2021, o cartel elevou levemente sua estimativa de avanço na demanda global, em 17 mil bpd, a 5,7 milhões de bpd. Como resultado, calcula-se que o consumo no ano passado ficou em 96,6 milhões de bpd.

No documento, a Opep avalia que os efeitos positivos de políticas fiscais e monetárias adotadas em países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) devem "mais do que compensar" o impacto da variante Ômicron do novo coronavírus na demanda por petróleo.

continua após publicidade

Fora do grupo

A Opep também manteve sua previsão para o aumento da oferta de petróleo entre países fora do grupo em 2022, em 3 milhões de bpd, segundo relatório mensal publicado nesta quinta-feira. Com isso, espera-se que a oferta alcance 66,6 milhões de bpd este ano.

Os países que devem mais contribuir para o incremento da oferta em 2022 são EUA e Rússia, seguidos por Brasil, Canadá, Casaquistão, Noruega e Guiana, diz a Opep.

continua após publicidade

Para 2021, a Opep reduziu sua estimativa de acréscimo da oferta, para 600 mil bpd, levando a produção total a 63,6 milhões de bpd.

Ainda no relatório, a Opep informa que sua produção cresceu 60 mil bpd em janeiro ante dezembro, para uma média de 27,98 milhões de bpd, de acordo com fontes secundárias.

PIB global

continua após publicidade

A Opep ainda reiterou sua projeção de alta do Produto Interno Bruto (PIB) global em 2022, em 4,2%, segundo documento mensal publicado nesta quinta-feira. Já para 2021, o cartel revisou ligeiramente para cima sua estimativa de alta do PIB global, de 5,5% para 5,6%.

A Opep também confirmou suas projeções de crescimento este ano para EUA (4%), zona do euro (3,9%) e China (5,6%).

As previsões, no entanto, continuam sujeitas às incertezas da pandemia de covid-19, como a disseminação de variantes e a velocidade da vacinação contra a doença, ressaltou a Opep.