Economia

'O que ouvi é que vou ter de trabalhar mais. Não fiz as contas'

Da Redação ·

Enquanto quase 900 mil trabalhadores perderam o emprego com carteira assinada de março a setembro, durante a pandemia, o brasiliense João Alves e Silva conseguiu uma vaga num quiosque de venda de sorvetes no Pátio Brasil, shopping da capital federal. Com 24 anos e um longo período de procura por emprego fixo, Silva pôde realizar o desejo de ter pela primeira vez a carteira de trabalho assinada e a previsibilidade de um salário garantido no fim do mês.

continua após publicidade

Ele é um dos milhares de brasileiros que entraram no mercado de trabalho já sob as regras definitivas pela Nova Previdência, em vigor há exato um ano.

A reforma fixou uma idade mínima para aposentadoria de 62 anos (mulheres) e 65 anos (homens), regras de transição, pensões por morte com redutores e novo cálculo do benefício. Mas Silva, que tem ensino médio e fazia um curso técnico interrompido pela pandemia, pouco conhece sobre o que as mudanças representam e seus direitos.

continua após publicidade

O que ele sabe é que vai ter de trabalhar por uma prazo maior até se aposentar. "Não foi muito explicado. O que eu ouvi recentemente é que vou ter de trabalhar mais. Ainda não fiz as contas", diz. "Vai chegar o momento que o corpo não vai aguentar mais", completa o jovem, que dividiu com a família - mãe, irmã, cunhado, sobrinha e namorada - a felicidade do primeiro emprego.

A falta de experiência estampada na carteira de trabalho em branco sempre foi empecilho para arrumar o primeiro emprego.

"Foi difícil arrumar essa experiência. Eu sempre quis ter a carteira assinada, mas não tinha experiência comprovada. A oportunidade não existia para mim", afirma ele, ainda surpreso com o fato de o trabalho ter chegado durante a pandemia.

continua após publicidade

Nesse momento de vida, a Previdência para ele é garantia e segurança de que terá acesso a benefícios do governo, como auxílio-doença. Os planos para o futuro ainda estão longe de envolver a aposentadoria. A perspectiva agora é conseguir a casa própria por meio do Minha Casa Minha Vida, rebatizado pelo atual governo de Casa Verde e Amarela. "Eu penso em abrir uma poupança para o futuro, quando estiver mais velho. De momento, o que quero é ter uma casa para minha mãe e para mim", diz.

Já o economista Mauricio Oliveira, de 60 anos, batalha para conseguir se aposentar. Com 34 anos de contribuição (33 anos na época da aprovação da reforma), ele entrou nas regras de transição e precisou adiar os planos de aposentadoria. Antes, previa pedir o benefício em 2021. Agora, só lá para 2022, já que ele quer fugir do fator previdenciário - que funciona como redutor do valor a ser recebido. "Estou perto, mas vou ter de esperar", afirma ele.

Oliveira foi demitido da entidade onde trabalhava como assessor econômico. Com isso, perdeu o vínculo formal e, consequentemente, as contribuições ao INSS.

continua após publicidade

Para evitar um atraso ainda maior nos planos, vai recorrer às suas economias para seguir fazendo os recolhimentos de forma autônoma - com uma alíquota bem maior, de 20%, ante a contribuição de 7,5% a 14% paga por quem está empregado. "Ainda bem que eu tenho essas economias", conta.

A esperança de Oliveira é conseguir pagar ao INSS pendências do passado, de um período em que trabalhou como pessoa jurídica e deixou de pagar a Previdência. "Falta um ano de contribuição. Se eu conseguir pagar as pendências do passado e recuperar o tempo perdido, consigo me aposentar antes." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.