Mais lidas

    Economia

    Economia

    Nova York e blue chips impulsionam Ibovespa em dia de vencimento de opções

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 14.04.2021, 11:48:00 Editado em 14.04.2021, 11:55:52
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    A aceleração das bolsas americanas deu fôlego ao Ibovespa, que segue renovando máximas, sustentando os 120 mil pontos, marca que fora vista pela última vez na segunda quinzena de fevereiro. O índice brasileiro é sustentado principalmente pelas blue chips, caso de Vale, Petrobras e bancos, que passaram a subir com firmeza no período da manhã. Vale ON subia 3,43%, enquanto Petrobras, em torno de 1,7%.

    "Além dos balanços dos EUA, reforçando perspectiva de aceleração da economia americana, as medidas antitrustres na China deram certo fôlego aos mercados uma série de empresas chinesas de internet se comprometerem a cumprir leis antitruste", afirma Yuri Cavalcanti, sócio-fundador da Aplix Investimentos.

    A despeito disso, ele pondera que passada a fase de "normalização" da atividade pós-covid no exterior, a Bolsa pode ter uma inflexão, de forma a diminuir a euforia, à medida que o Brasil ainda enfrenta problemas sanitários e fiscais.

    Às 11h13, o Ibovespa subia 0,74%, aos 120.175,22 pontos, na máxima, em dia de vencimento de opções sobre índice.

    Resultados de grandes bancos americanos do primeiro trimestre amparam os ganhos em Nova York e que também contagiam o Ibovespa. Nos EUA, os lucros surpreendentes apresentados pelo JPMorgan, Goldman Sachs e Wells Fargo, que abriram a temporada de balanços no país, reforçam a avaliação de que a maior economia do mundo segue em recuperação dos efeitos da pandemia de covid-19, mas não afastar os temores ligados à doença.

    "Olha mais o internacional do que o doméstico. Aqui, há a preocupação com a PEC fura-teto que tenta colocar algum gasto a mais nas obras. Porém, o mercado Bolsa tem segurado um pouco esse risco, mas sem deixar de preocupar", avalia Eduardo Cubas, sócio da Manchester Investimentos.

    O noticiário corporativo interno também movimenta na B3 hoje, a começar pelas mudanças no Banco do Brasil. O BB confirmou as renúncias de Carlos André ao cargo de vice-presidente Gestão Financeira e de relações com investidores, por motivo de aposentadoria. Também deixou a instituição Mauro Ribeiro Neto, que era vice-presidente corporativo, por questões pessoais.

    Além disso, em outro comunicado, o BB anunciou o cancelamento do IPO planejado do BV, onde o Banco do Brasil detém 50% do capital.

    Já a Magazine Luiza anunciou a aquisição do Jovem Nerd, a maior plataforma multimídia voltada para o público nerd e geek do País. Os papéis, por sua vez, cediam 1,40%, assim como os demais do segmento, depois da alta da véspera.

    Tentando superar os efeitos da crise provocada pela pandemia de covid-19, a Gol informou estimativas do primeiro trimestre "modestamente positivas", projetando margem Ebtida entre 20% e 22% no primeiro trimestre. No entanto, prevê prejuízo líquido no período de R$ 2,35 por ação. Os papéis subiam 0,26%, enquanto Azul, 0,16%.

    Enquanto isso, o governo francês decidiu suspender todos os voos entre Brasil e França citando preocupações com a variante brasileira da covid-19. Apesar de eventualmente a notícia não ter impacto no curto prazo no País, pode manter a luz amarela acesa do setor.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Nova York e blue chips impulsionam Ibovespa em dia de vencimento de opções"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.