Economia

No fechamento, dólar cai para a casa de R$ 5,25 com exterior e fluxo

Da Redação ·

Após três pregões consecutivos de alta, o dólar à vista recuou na sessão desta segunda-feira (7) e voltou a trabalhar abaixo da casa de R$ 5,30. Em trajetória descendente desde a manhã, em linha com o sinal predominante de baixa da moeda americana frente a divisas emergentes e ligadas a commodities, o dólar acelerou as perdas ao longo da tarde e desceu até a linha de R$ 5,25 na reta final dos negócios, fechando no menor patamar desde meados de setembro de 2021.

continua após publicidade

Além da maré positiva para emergentes, que ganhou mais corpo na etapa vespertina, operadores atribuíram a baixa mais expressiva do dólar por aqui a fluxos pontuais de recursos externos, em especial para renda fixa, e a ajustes de posições no mercado futuro, que trabalhou com liquidez bastante reduzida (contrato de dólar para vencimento em março girou menos de US$ 10 bilhões).

O apetite mais reduzido por negócios revela certa cautela diante da agenda carregada aqui e no exterior: ata do Copom nesta terça (8), IPCA de janeiro na quarta-feira (9) e índice de inflação ao consumidor (CPI) nos Estados Unidos na quinta-feira (10). Nas mesas de operação, comenta-se que há certo receio também em torno das PECs dos combustíveis apresentadas na Câmara dos Deputados e no Senado, embora o provável aumento do risco fiscal ainda não seja fato preponderante na formação da taxa de câmbio.

continua após publicidade

Com variação de cerca de sete centavos entre a máxima (R$ 5,3229) e a mínima (R$ 5,2507), o dólar à vista encerrou o pregão em queda de 1,26%, a R$ 5,2547 - menor valor desde 15 de setembro do ano passado (R$ 5,2495). Depois de fechar janeiro com desvalorização de 4,84%, a divisa acumula baixa de 0,96% neste mês e já perde 5,76% em 2022.

No exterior, o índice DXY - que mede o desempenho do dólar frente a uma cesta de seis divisas fortes - experimentou algumas trocas de sinal e operava com viés, na casa dos 95,400 pontos, apesar dos ganhos em relação ao Euro. A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou hoje, em discurso no parlamento europeu, que a inflação deve seguir elevada no curto prazo, mas que, no longo prazo, é consistente com a expectativa da instituição.

Entre emissões corporativas em andamento, fontes ouvidas pelo Broadcast informaram que a Usina Coruripe captou US$ 300 milhões no mercado de dívida externa, com a emissão de bonds de cinco anos. Os bonds, que tem opção de recompra em três anos, ofereceram retorno ao investidor de 10%.

continua após publicidade

Para o operador Hideaki Iha, da Fair Corretora, a performance do real só pode ser explicada por algum fluxo mais forte de entrada de recursos ao longo da tarde ou desmonte de operação comprada (que ganha com o avanço da moeda americana) no mercado futuro. "Com essa questão da PEC dos Combustíveis, não era para o dólar estar caindo tanto aqui hoje. O real está muito melhor que outros emergentes. Vejo esse movimento como algo pontual", diz.

Hideaki Iha observa que a possibilidade de nova rodada de apreciação do real parece menor, uma vez que grande parte das posições compradas em dólar já foram desmontadas e, com a taxa de câmbio nos níveis atuais, é recomendável manter algum nível de hedge (proteção) cambial. "Um estresse maior lá fora ou com essas medidas populistas do governo pode fazer o dólar subir de novo", diz o operador da Fair. "Ficar comprado com o dólar a R$ 5,50 ou R$ 5,60 com esse juro real alto era uma coisa. Mas com o dólar na casa de R$ 5,30, já dá pra pensar em montar uma posição".

O head de câmbio da Valor Investimentos, Fernando Giavarina, observa que, mesmo com a possível redução do ritmo de alta da Selic, sinalizada pelo Copom em seu comunicado na semana passada, o Brasil vai continuar a ter um juro real muito atrativo. "A expectativa é que a ata confirme que a próxima alta dos juros será menor. O mercado acredita que a Selic pode chegar a algo entre 11,75% e 12,25% até o fim do ciclo de aperto. Mesmo com a subida de juros nos EUA, o diferencial de juros vai continuar bem elevado", diz Giavarina, que vê possibilidade de queda adicional do dólar, embora a taxa já esteja perto de R$ 5,00 e o quadro fiscal seja preocupante.

continua após publicidade

A economista-chefe da Coface para América Latina, Patrícia Krause, trabalha com cenário-base de elevação da Selic em 1 ponto porcentual em março, para 11,75%, e em 0,50 ponto em maio, alcançando 12,25%. "A ata do Copom deve trazer uma recalibragem no tom do comunicado. O Banco Central já sinalizou o ritmo de aperto monetário. Mas ele deve mostrar também a importância do controle das expectativas de inflação", diz Patrícia.

A economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, espera que o BC, após acenar com diminuição do ritmo de elevação da Selic, mostre qual vai ser seu "plano de pouso", ou seja, como vai chegar até o fim do ciclo. "O Congresso retomou os trabalhos e essa questão fiscal pode elevar a percepção de risco do mercado. Isso pode dificultar a tarefa do BC", diz Camila, que vê possibilidade de o Copom encerrar o processo de alta da Selic sem conseguir pôr as expectativas de inflação na trajetória da meta.