Mais lidas

    Economia

    Economia

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 01.03.2021, 08:05:00 Editado em 01.03.2021, 08:11:42
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
    Tecnologia da startup brasileira Noar chegará a todas as lojas da marca e, em breve, também às mãos das consultoras

    A solução de uma startup brasileira vai ganhar o mundo a partir das 589 lojas da Natura e, em breve, chegará também às mãos das consultoras da empresa: os "aromas virtuais". Desenvolvido pela Noar, da empresária Claudia Galvão, o "carrossel de cheiros" foi testado a partir do fim de 2019 em pontos de venda da Natura, sendo aprimorado a partir das impressões dos clientes das lojas físicas e das revendedoras da marca. O aroma virtual, na verdade, é uma união do mundo físico com o digital. As fragrâncias são acopladas a uma solução de tecnologia, em duas versões. A primeira lembra uma prancheta e tem apenas um borrifador - qual cheiro a pessoa vai sentir dependerá do acionamento feito em um aplicativo instalado no celular do revendedor ou cliente. Na segunda versão, que está começando a sair das linhas de montagem, a "prancheta perfumada" vem com uma tela de tablet acoplada, e o usuário pode escolher o cheiro sem depender de um segundo aparelho. O compacto kit de fragrâncias que vem junto com o aparelho permite o uso no modo "refil" - cada frasquinho é suficiente para cem experimentações. Para facilitar a vida das consultoras, a solução da Noar permite que cada fragrância seja substituída individualmente. O sistema comporta a escolha de até 20 aromas por revendedora, que poderá adaptar o catálogo conforme seu perfil de vendas. Segundo explicou Claudia ao jornal O Estado de S. Paulo, trata-se de uma evolução da tecnologia que permitia ao consumidor da Natura sentir aromas esfregando páginas do catálogo físico. Segundo a gerente de inovação da Natura, Daniela Diogenes, além de ser uma tecnologia que, em tempos de pandemia de covid-19, elimina a necessidade de toque, o aroma digital desenvolvido pela Noar também garante uma evolução na experiência do consumidor. Como o cheiro liberado pelo aparelho é "seco", não é necessário usar as fitinhas de experimentação comuns em lojas - assim, reduz-se a confusão do cliente depois que ele provou diversas fragrâncias. Daniela conta que a aproximação entre a startup e a fabricante de cosméticos começou em 2019 - e, rapidamente, a Natura percebeu o caráter tecnológico que a solução poderia acoplar à marca. Foi justamente por essa razão que, no último trimestre daquele ano, a empresa decidiu testar a solução da Noar em sua estreia na Malásia, um mercado que valoriza a inovação. Depois de um período de testes no Brasil em plena pandemia, Daniela diz que já está decidido que os aparelhos da Noar ficarão disponíveis em todas as lojas da Natura, no Brasil e no mundo. Para a solução chegar à mão das revendedoras, questões de custo deverão ser equacionadas. A Natura ainda vai decidir se venderá ou locará o aparelho para seu exército de milhões de representantes na venda direta ao redor do mundo.

    Evolução

    A história empresarial de Claudia Galvão está intimamente ligada ao setor de cosméticos - e, em especial, à perfumaria. A startup Noar surgiu a partir da Ananse, negócio que ela ainda mantém e que é responsável justamente por entregar a tecnologia de "esfregue e sinta o perfume" nas revistinhas físicas tanto da Natura quanto de outras empresas de cosméticos. A empresária conta que a Noar nasceu como uma necessidade de perpetuar o negócio da Ananse ao longo do tempo, mas acabou virando uma empresa separada a partir da atração de um investidor externo - no caso, a Wheaton, tradicional fabricante de frascos de perfume e de medicamentos com sede em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Embora já tenha no horizonte o fornecimento da solução de cheiro virtual para outras empresas de cosméticos, a fundadora da Noar vislumbra outras aplicações para os aromas virtuais. "A gente tem estudos para uso do aparelho na área de saúde, para o tratamento de doenças neurológicas. E há também outras experiências olfativas que a gente pode desenvolver. Isso é só o começo." As informações são do jornal

    O Estado de S. Paulo.
    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Natura leva 'aroma digital' para o mundo"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.