MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

Ministra quer agenda comum com os Poderes para reforma administrativa

Pressionada pelo Congresso a apresentar uma proposta unificada de reforma administrativa, a ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, afirmou que o Executivo tentará construir uma agenda comum com Legislativo e, "provavelmente",

Bianca Lima (via Agência Estado)

·
Escrito por Bianca Lima (via Agência Estado)
Publicado em 06.02.2024, 07:23:00 Editado em 06.02.2024, 07:27:20
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

Pressionada pelo Congresso a apresentar uma proposta unificada de reforma administrativa, a ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, afirmou que o Executivo tentará construir uma agenda comum com Legislativo e, "provavelmente", com o Judiciário. Segundo ela, essas conversas devem ter início após o carnaval.

continua após publicidade

A pasta também avalia uma forma de empacotar os textos e as ações do governo na área de transformação do Estado para facilitar o debate público, em meio às cobranças dos parlamentares e da sociedade civil. Isso porque, até o momento, o ministério vinha falando em uma reforma fatiada, com diversos projetos separados, como mostrou oEstadão.

"O que a gente vai tentar, no diálogo com o Congresso, é escolher projetos que sejam prioritários para os dois: Legislativo e Executivo. E Judiciário também, provavelmente", afirmou Esther. "Esse tema, possivelmente, vai ter um apelo maior este ano. E a nossa proposta é sentar e discutir o que seria um projeto comum, vamos ver se a gente consegue."

continua após publicidade

O objetivo, segundo a ministra, é escolher projetos que sejam prioritários aos três Poderes e que foquem, sobretudo, na melhoria da prestação do serviço público - sem que a ênfase seja na economia de recursos.

Esther participou nesta segunda-feira, 5, de uma reunião da Câmara Técnica do Conselhão, grupo criado no segundo semestre do ano passado e composto por membros da sociedade civil e do setor privado. O tema foi a reformulação do RH do Estado.

"O pessoal da Câmara insistiu que deveria ser uma apresentação conjunta (de reforma administrativa). Eles acham que ajudaria no debate público. Estamos sensíveis a esse argumento, mas ainda não tem decisão", frisou a ministra.

continua após publicidade

Um dos projetos que engloba a reforma fracionada é o que combate os supersalários de agentes públicos - um texto que enfrenta resistências, principalmente, no Judiciário. Ele foi aprovado na Câmara em 2021, mas está parado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado desde então, à espera de um relator.

Também fazem parte da reforma do Estado defendida pela ministra o projeto de lei que atualiza o regramento sobre cotas raciais no serviço público, criado em 2014; os projetos de reestruturação de carreiras, que estão sendo feitos separadamente, à medida que as mesas de negociação com servidores avançam; e o PL dos concursos públicos, que tramita há 20 anos no Congresso e muda a forma de avaliação dos candidatos.

"Quem dá a temperatura, para ver quais são as pautas prioritárias no Congresso, é mais a SRI (Secretaria de Relações Institucionais). Eu tenho conversado com o ministro (Alexandre) Padilha. E o ministro tem externado as críticas que nós temos à PEC 32, que está lá, mas destacando que a gente não se nega a debater o tema", afirmou.

continua após publicidade

PEC

Para ela, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32, encaminhada no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro, tem "falhas graves", não representa uma "reforma do Estado" e pode levar a um aumento de custos, em vez de redução. Isso porque, segundo ela, a PEC traz uma contrarreforma da Previdência para as forças de segurança (incluindo a guarda municipal), retomando benefícios que essas categorias tiveram no passado.

continua após publicidade

Segundo ela, o único item da PEC que poderia gerar redução de gastos é a redução da jornada com redução dos salários em até 25%. "Mas isso seria para aqueles que estão no limite da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que são alguns Estados e alguns municípios. E, nesse caso, nós temos muita preocupação com isso, porque o Executivo municipal tem a menor remuneração (na comparação com outros Poderes e outros níveis da administração) e eles prestam, basicamente, serviços de saúde e educação, além da guarda municipal", afirma a ministra.

Governo ficou surpreso com PEC de autonomia financeira do BC

O governo Lula foi surpreendido pela Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que confere autonomia financeira ao Banco Central (BC). A informação é da ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck.

A PEC foi apresentada pelo presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Vanderlan Cardoso (PSD-GO), com o apoio de parlamentares da oposição e do presidente do BC, Roberto Campos Neto.

"Estamos discutindo e vendo as implicações, mas ainda não tem uma posição (fechada)." Pelo texto, o BC terá "autonomia de gestão administrativa, contábil, orçamentária, financeira, operacional e patrimonial sob supervisão do Congresso". Assim, passaria a funcionar como uma empresa pública.

As informações são do jornalO Estado de S. Paulo.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Ministra quer agenda comum com os Poderes para reforma administrativa"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!