Economia

Mesmo com piora em NY, Ibovespa sobe 0,18%, a 103,5 mil; na semana ganha 1,18%

Da Redação ·

O desempenho de Petrobras (ON +4,49%, PN +4,07%) e de bancos, puxado pelo balanço do Itaú (PN +5,91%), reaproximou o Ibovespa dos 115 mil pontos no melhor momento desta sexta-feira, assegurando o quarto ganho diário e o quinto semanal para a referência da B3 que, até o meio da tarde, parecia a caminho de sua maior alta deste mês de fevereiro. Ao final, sem força, o índice fechou quase no zero a zero, em leve avanço de 0,18%, aos 113.572,35 pontos, entre mínima de 113.128,01 e máxima de 114.899,26, maior nível intradia desde 18 de outubro passado, saindo de abertura a 113.367,77. Na semana, acumulou ganho de 1,18%, colocando o do mês a 1,27% e o do ano a 8,35%. Reforçado, o giro foi a R$ 45,5 bilhões nesta sexta-feira, majoritariamente negativa para os índices de Nova York, da Europa e da Ásia.

continua após publicidade

No meio da tarde, mesmo com perdas firmes em Nova York, o Ibovespa se aproximava de testar os 115 mil pontos, nível não visto desde 16 de setembro passado. Mas o humor no exterior, que já era ruim, piorou de vez com o relato, da americana PBS News, de que o presidente russo, Vladimir Putin, já teria tomado a decisão e informado a suas Forças Armadas de que a Ucrânia será ocupada militarmente. A referência da B3 se acomodou então abaixo dos 114 mil pontos, mas ainda avançando no dia, com acentuação de alta no petróleo dando bom suporte às ações da Petrobras, na ponta do Ibovespa nesta sexta-feira junto com Itaú e Itaúsa (+4,26%), após o balanço da instituição financeira, e PetroRio (+4,24%). No lado oposto, Magazine Luiza (-8,50%), Usiminas (-7,45%), Azul (-5,84%) e Via (-5,07%).

"O resultado do Itaú corrobora nossa expectativa de normalização da lucratividade do banco, que mostrou sólido avanço na carteira de crédito", observa em relatório o Banco Inter, que manteve recomendação de compra para Itaú PN com preço-alvo a R$ 32,00 para o fechamento do ano - hoje, a ação encerrou o dia a R$ 26,53.

continua após publicidade

No quadro mais amplo, pouco depois do relato da PBS News sobre a escalada militar no leste europeu, a Casa Branca afirmou ter a informação de que a Rússia invadirá a Ucrânia antes do fim da Olimpíada de Inverno, na China. Forças militares da Ucrânia alertaram hoje que separatistas apoiados pela Rússia estão conduzindo exercícios no leste, e que as unidades militares foram colocadas no nível mais alto de alerta.

"Os traders de ações rapidamente apertaram o 'botão de venda' após relatos de que os Estados Unidos esperam que a Rússia avance com a invasão da Ucrânia. Esperava-se um período de calma em relação à situação da Ucrânia, mas isso não parece mais ser o caso", observa em nota Edward Moya, analista da OANDA em Nova York.

"O início do dia já tinha sido negativo na Europa, e aqui tivemos um carrego do Itaú, dos resultados trimestrais, e do petróleo, o que segurou o mercado até o meio da tarde, quando começaram os rumores de tomada de posição firme da Rússia sobre a Ucrânia. Em Nova York, o índice VIX (que reflete a volatilidade com base em opções sobre o S&P 500) subiu mais de 20%, refletindo o aumento da percepção de risco, assim como o comportamento dos Treasuries. Aqui viemos para o zero a zero", diz Bruno Madruga, head de renda variável da Monte Bravo Investimentos.

continua após publicidade

Com um cenário externo degradado, ainda pautado pela expectativa de elevação dos custos de crédito nos Estados Unidos este ano, e por tensão entre o Ocidente e a Rússia, três fatores têm favorecido a recuperação do Ibovespa neste começo de ano, observa em relatório a XP Investimentos: rotação global das ações de crescimento para as de valor; forte exposição da B3 a commodities; e múltiplos de entrada muito baixos, "com Preço por Lucro projetado ao redor das mínimas dos últimos dez anos".

Assim, os R$ 32,5 bilhões em fluxo estrangeiro direcionado à B3 em janeiro se mantém positivo em fevereiro. "Como mencionamos em relatórios anteriores, a continuação do retorno desses investidores estrangeiros para a Bolsa brasileira se dará pelos seguintes fatores: melhor resolução sobre a trajetória fiscal e política do país; a continuação da recuperação econômica; cenário positivo para as commodities e os mercados emergentes, e o avanço crescente das iniciativas ESG pelas empresas brasileiras", observam o head de research Fernando Ferreira, a estrategista de ações Jennie Li e a analista Rebecca Nossig, da XP.