Economia

Marcos Cintra: 'É hora retomar o imposto nos moldes da CPMF'

Da Redação ·

Demitido da Receita Federal em 2019 por defender um imposto nos moldes da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), tributo tido como "morto e enterrado" por muitos, Marcos Cintra, professor da Economia da FGV, acredita que chegou a hora da retomada do tributo sobre movimentação financeira. Ele argumenta que seria uma troca de receitas para o governo, que abriria mão da desoneração da folha de salários.

continua após publicidade

"Essa base tributária (desoneração) está em erosão profunda e isso vai levar a uma falência do sistema se a Previdência não encontrar uma base mais moderna e estável", disse ao Estadão/Broadcast. A seguir, trechos da entrevista.

Por que a retomada da CPMF volta agora?

continua após publicidade

A desoneração, dentro de qualquer projeto de reforma tributária, é fundamental por três razões. A primeira é que a Previdência é custeada por uma incidência sobre a folha, que é uma base em deterioração. A segunda é que vivemos uma crise do desemprego e a incidência pesada sobre folha de salários prejudica e encarece o custo do trabalho. A terceira é que o debate sobre desoneração recebe muito apoio, tanto que 17 setores da economia foram desonerados.

Temporariamente...

Sim. Já foi prorrogado uma vez, agora por mais dois anos, e isso acaba ficando uma tendência permanente - a maior parte é de serviços. Precisamos estender a outros setores.

continua após publicidade

Qual é o potencial de arrecadação?

Segundo estimativas da Receita, 1% de aumento gera R$ 300 bilhões de arrecadação. É impressionante.

E seria carimbado para a Previdência, certo?

continua após publicidade

Isso. Acaba com os 20%, os 11%, com uma alíquota (por operação) de, no máximo, 0,50%, 0,35%, 0,40% por aí... Isso precisa ser mais detalhado, mas a ideia é, gradativamente, ir substituindo a folha.

Como o Instituto Unidos Brasil (IUB) conseguirá convencer um parlamentar a ressuscitar a CPMF?

O que propomos não tem nada a ver com a CPMF. Ela criou uma profunda antipatia popular porque surgiu como um custo a mais. Neste caso, eliminará a tributação sobre a folha, que tem viés antissocial.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.