Economia

Maior parte dos novatos na Bolsa tem salário de até R$ 5 mil por mês

Da Redação ·

A imagem do milionário que "aposta" quantias exorbitantes no mercado financeiro não pode estar mais distante da realidade do novo perfil de investidor na B3, a Bolsa brasileira. Com a redução da idade média das pessoas físicas com conta na Bolsa, o pequeno investidor passou a dominar. Hoje, 56% dos clientes da B3 têm renda mensal de até R$ 5 mil e só aplica R$ 50 no primeiro aporte em suas carteiras.

continua após publicidade

Como o novo perfil reúne pessoas para quem o dinheiro perdido em um momento de baixa no mercado pode fazer muita falta, o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, faz um alerta sobre a necessidade de diversificação da carteira entre opções de renda fixa e variável. "O investidor precisa separar apenas aquele recurso que sabe que não vai fazer falta e entender quais são seus objetivos de curto, médio e longo prazo", diz o especialista.

Isso porque, além do incentivo vindo dos bancos e corretoras, uma grande quantidade de produtores de conteúdo sobre renda variável já está capitalizando o nicho de jovens investidores. Diretor da B3 responsável pelo relacionamento com clientes e pessoas físicas, Felipe Paiva explica que a Bolsa está atenta a esse movimento - e tem tentado esclarecer as regras do investimento. "Muitos estão investindo para aprender. A ideia é mostrar que esse investimento é de longo prazo e não é uma corrida de 100 metros", afirma.

continua após publicidade

É por isso que muita gente prefere testar o investimento em ações aos poucos. Esse é o caso da professora universitária Jéssica Silva, 31 anos, que há um ano estreou na B3 com um investimento mensal na casa de R$ 600. "Antes, só usava a poupança para guardar meu dinheiro, mas decidi mudar para conseguir ter um rendimento maior no longo prazo", diz.

Jéssica contratou assessoria de investimentos por causa da sua falta de experiência. "Meu assessor tem a função de me guiar na hora de decidir em qual empresa investir. Ele me fala o código da ação e só vou e faço a compra", explica.

RECLAMAÇÕES. E há ainda o fato de que nem todos estão cientes das regras do mercado. Entre as principais dúvidas sobre encargos na compra de ações, estão a taxa de corretagem - prática já quase extinta no Brasil - e também a cobrança por custódia dos papéis.

continua após publicidade

Outro mecanismo que tem levado investidores a fazer um pedido formal de ressarcimento é a liquidação compulsória. Pouco conhecida entre os novatos no mundo das ações, trata-se de um mecanismo que permite que as corretoras zerem as posições dos clientes quando um determinado patamar de perdas é atingido.

A ordem para encerrar a operação é automática e pode ter custo alto. "O número de pessoas no mercado cresceu muito - e o processo de comunicação desse mecanismo não é trivial", afirma André Demarco, diretor de autorregulação da BSM Supervisão de Mercados.

ADEUS. Diante dos riscos e regras, há quem decida voltar à renda fixa. É o caso do estudante Yuri Modesto, 22 anos, que chegou a abrir uma conta na B3, mas desistiu da ideia três meses depois. "Não quis continuar pela questão do Imposto de Renda e também porque não tenho noção sobre como fatores externos, como a política, podem influenciar nos resultados (das ações)", diz.

continua após publicidade

País ganhou 2 milhões de novos investidores em ações em 12 meses

A Bolsa brasileira acaba de atingir a marca de 5 milhões de investidores, sendo que mais de 2 milhões compraram sua primeira ação ao longo dos últimos 12 meses. Ignorando a alta dos juros, que acaba de retornar ao patamar dos dois dígitos, o crescimento de pessoas físicas na B3, a Bolsa brasileira, continuou robusto, e a expectativa é de que o ritmo da alta seja mantido. "Antes se falava em guerra entre renda variável e renda fixa. Isso não existe", diz Felipe Paiva, diretor da B3.

A média de crescimento mensal do total de investidores tem sido da ordem de 4%, mas um impulso extra foi registrado com a abertura de capital do Nubank, que ocorreu simultaneamente em São Paulo e em Nova York, trazendo mais de 700 mil novos compradores à B3. Segundo a Bolsa, mesmo com a volatilidade do mercado no fim do ano passado e o ciclo de alta, a taxa de retenção desse público tem sido elevada: dos que chegam, 80% investem em ações por um longo período.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.