Economia

Juros recuam em linha com queda do petróleo e do rendimento dos Treasuries

Da Redação ·

Petróleo e juros nos Estados Unidos em queda conduziram o mercado de DI a uma nova sessão de baixa, a sétima nos últimos oito pregões. A agitada cena política pouco fez preço no mercado nesta véspera de fim de janela partidária, uma vez que os agentes ponderam ainda as dificuldades da terceira via na corrida presidencial.

continua após publicidade

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 cedeu de 12,776% na quarta-feira para 12,725% nesta quinta-feira. O janeiro 2024 foi de 12,181% a 12,055%, fechando na mínima. O janeiro 2025 recuou de 11,51% a 11,42%. E o janeiro 2027 caiu de 11,33% a 11,22%.

A notícia de que os Estados Unidos decidiram liberar nos próximos seis meses a quantidade de 1 milhão de barris por dia de petróleo de suas reservas nacionais fez com que a cotação da commodity mergulhasse - e acabou sendo o principal driver para o mercado de dívida global. O Brent para junho cedeu 6,04%, a US$ 104,71, e o WTI para maio recuou 6,99%, a US$ 100,28. A medida tem por objetivo conter a disparada do valor do barril e, por consequência, da inflação ao consumidor norte-americano.

continua após publicidade

Desta forma, o rendimento da T-Note de 10 anos passou de 2,350% na quarta a 2,329% nesta quinta, à medida que o mercado pondera que o Federal Reserve pode ser um pouco menos intenso em seu ajuste monetário nos Estados Unidos caso a cotação do petróleo se estabilize.

Aqui no Brasil, onde o Banco Central atrelou movimentos futuros ao comportamento da cotação do óleo, a baixa deu gás a mais uma sessão de queda nos juros futuros. "O mercado parece estar fazendo um ajuste fino neste momento, depois de tantas quedas recentes. Para isso, está pesando a dinâmica do mercado externo, com o fechamento de taxas nos EUA e o petróleo em queda. É um pouco da tônica dos últimos dias, em que tem havido volatilidade muito elevada nesses ativos", afirma o estrategista-chefe e sócio do banco digital Modalmais, Felipe Sichel.

O economista-chefe da Terra Investimentos, João Mauricio Rosal, explica que a correlação entre os preços do petróleo e curva de juros tem sido potencializada desde que o Banco Central apresentou seu cenário alternativo - que considera o de maior probabilidade -, no qual a commodity tem papel de destaque. Uma das premissas para projetar a Selic em 3,1% no fim de 2023, portanto, abaixo da meta central de 3,25%, é que as cotações ao longo do ano caminhem para a marca de US$ 100 por barril. Neste sentido, se nesta quinta o petróleo ajuda, na sexta pode ser bem diferente. "A análise do BC fez com que a percepção sobre a política monetária ficasse atrelada a uma variável ultravolátil", diz.

continua após publicidade

Sichel, do Modalmais, afirma que somente com a queda da volatilidade do petróleo é que os agentes conseguirão fazer um julgamento melhor do plano de voo do BC.

Apesar dessa incerteza adiante, o dia favorável aos ativos domésticos fez com que o Tesouro viesse nesta quinta com uma oferta bem maior no leilão de LTN, com risco para o mercado em DV01 maior do que os das duas semanas anteriores. A oferta total de LTN foi de 18 milhões, vendida integralmente, e seguiu com 450 mil de NTN-F, das quais foram vendidas 176 mil. O risco para o mercado em DV01 ficou em US$ 721,59 mil, ou 58,7% maior do que o leilão anterior e 330,9% maior em relação ao leilão da semana retrasada, de mesmos vencimentos, segundo a Renascença DTVM.