Economia

Juros: Queda das taxas perde fôlego, com mercado realizando lucros

Da Redação ·

Os juros futuros fecharam a quinta-feira em queda nos vencimentos de curto prazo e em alta nos longos. As taxas mostraram recuo firme ao longo da quinta-feira, mas perderam fôlego na reta final da sessão regular, em postura atribuída a uma realização de lucros após o alívio de prêmios visto nos dois últimos dias. A despeito do IPCA-15 de novembro ter superado a mediana das estimativas, o sinal de baixa prevaleceu, ainda em meio à sinalização do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dada ontem e lida como dovish e também o leilão de prefixados com risco menor para o investidor. O mercado reduziu as apostas num Copom mais agressivo e, tanto na curva dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) quanto nas opções digitais da B3, a percepção de que o ritmo de alta da Selic será mantido em 1,5 ponto ganhou terreno.

continua após publicidade

A taxa do DI para janeiro de 2023 terminou em 12,095% (regular) e 12,07% (estendida), de 12,146% ontem no ajuste. Na mínima, chegou a furar os 12% (11,995%). O DI para janeiro de 2025 fechou com taxa de 11,86% (regular) e 11,85% (estendida), de 11,835% ontem, e a do DI para janeiro de 2027 subiu de 11,733% para 11,81% (regular) e 11,78% (estendida).

Na maior parte do dia, o tom geral do mercado foi de queda. "Poderia ser influência do feriado lá fora, mas também vale destacar a interpretação dos investidores para a fala do presidente do BC, Roberto Campos Neto, de que a perseguição à meta de 2022 teria menor peso na tomada de decisão do Copom", afirmam os economistas do Banco Original, em relatório.

continua após publicidade

Com as declarações de Campos Neto ainda ecoando, o mercado aceitou sem traumas o desvio para cima do IPCA-15 (1,17%) em relação à mediana das estimativas (1,14%), parecendo ver como "lucro" o fato de que, ao menos, o índice não estourou o teto das expectativas, de 1,23%. "O mercado estava preparado para um desastre, mas veio só ruim", atesta um gestor. De todo modo, qualitativamente, a leitura do indicador foi negativa, com núcleos e índice de difusão pressionados. A taxa desacelerou ante outubro (1,20%), mas foi a maior para meses de novembro desde 2002 (2,08%) e em 12 meses avançou a 10,73%, mais que o dobro do teto da meta de inflação de 5,25% de 2021.

Na avaliação da equipe de Macro & Estratégia do BTG Pactual, no curto prazo, o balanço de riscos deve ser mais negativo para o mercado local. "A deterioração da percepção de risco no Brasil, decorrente das incertezas do cenário fiscal e político, somada às expectativas de um aperto monetário mais célere nos EUA devem manter o dólar em patamar elevado, o que seguirá deixando o preço de bens comercializáveis em nível alto", afirmam os profissionais da instituição.

O bom comportamento da curva ao longo da quinta-feira também teve contribuição do Tesouro, que reduziu o lote de prefixados mais longos, que normalmente puxam para cima o risco da operação. O DV01 do leilão foi 5% menor, segundo a Necton Investimentos. O Tesouro ofertou 650 mil NTN-F, ante 1,5 milhão na semana passada, mas vendeu apenas 300 mil.