Economia

Juros perdem ritmo no fim, após subirem com Treasuries e pressão do câmbio

Da Redação ·

Os juros futuros passaram a sessão em alta, mas o movimento perdeu força no já perto do fim da sessão regular. O avanço das taxas se deu pela pressão dos Treasuries, do câmbio, preocupações com a inflação global e com o fator geopolítico voltando a ganhar peso na avaliação do mercado, uma vez que a guerra no leste europeu agora entra em nova fase. A taxa da T-Note de dez anos rompeu 2,90% e a do T-Bond de 30 anos chegou a 3%, nas máximas desde 2019. Como contraponto a limitar uma abertura ainda mais forte, os preços do petróleo caíram mais de 5%.

continua após publicidade

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou em 13,04%, de 13,063% no ajuste anterior, e a do DI para janeiro de 2024 terminou estável em 12,67%. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa a 12,06%, de 12,05%, e a do DI para janeiro de 2027 subiu de 11,77% para 11,80%.

A sessão teve mais contras do que prós para os mercados. As declarações do presidente do Federal Reserve de Saint Louis, James Bullard, ainda na segunda-feira, tiveram impacto pesado nesta terça nas curvas. Ele não descartou a possibilidade de o Fed ter de aplicar um aumento de 75 pontos-base no juro em alguma das reuniões. "A voz mais dissonante do Fed voltou a colocar na mesa a possibilidade de um ajuste de juros ainda mais célere", comentaram os economistas do Banco Original. Embora o diretor também tenha deixado claro que não é esse o seu cenário-base, a fala "dá o tom e o viés do colegiado", complementam. Até agora o mercado trabalhava com uma aceleração do ritmo atual de 25 para 50 pontos no encontro de março.

continua após publicidade

As chances de um Fed ainda mais agressivo também fazem sentido considerando o agravamento do conflito no leste europeu, pela perspectiva de demora na normalização da oferta de commodities, que deve manter a inflação global pressionada. A Rússia quadruplicou ataques aéreos na Ucrânia e aumentou o efetivo militar no país, no que o Kremlin chamou de nova fase da guerra. "Esses últimos eventos reduzem as chances de um diálogo para cessar fogo e, por isso também o dólar se valoriza a aumenta o prêmio de risco na curva", afirma o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Se a guerra tem efeito negativo para a inflação, tem também para a atividade, provocando, junto com a política de Covid zero na China, revisão drástica pelo Fundo Monetário Internacional da projeção de crescimento global, de 4,4% para 3,6% em 2022. A revisão e a liberação extra da reserva de petróleo nos EUA, no entanto, nesta terça deram alívio à commodity.

As questões fiscais internas permanecem no radar, mas fazendo menos preço nos ativos do que poderiam. Entre os pontos principais, está a pressão por aumentos salariais de servidores, que rechaçaram o aumento linear de 5% proposto pelo governo. "O mercado está meio anestesiado, priorizando as questões de política monetária e a guerra da Ucrânia", argumentou Rostagno.