Juros longos fecham em forte alta com temor sobre saída de Guedes e risco fiscal - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

Juros longos fecham em forte alta com temor sobre saída de Guedes e risco fiscal

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O aumento da pressão sobre a área econômica, após o presidente Jair Bolsonaro anunciar no fim da manhã que não vai mandar ao Congresso o programa Renda Brasil da forma como foi elaborado, empinou ainda mais a curva de juros, com as taxas longas subindo mais de 30 pontos-base nas máximas à tarde. Mais do que a piora do risco fiscal, o mercado voltou a colocar nos preços a possibilidade do ministro Paulo Guedes deixar o governo, o que representaria a derrota da agenda liberal e reformista vista como essencial para colocar o País nos trilhos.

As taxas curtas também subiram e a precificação de corte da Selic não só continuou enterrada como a curva passou a projetar chance de alta de 0,25 ponto porcentual na taxa básica nas reuniões do Copom que restam em 2020, já a partir de setembro.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) mais líquido nesta quarta-feira foi o janeiro de 2023, com 565 mil contratos, quase o dobro da média diária dos últimos 30 dias (286,5 mil). A taxa voltou à casa dos 4,0%, para 4,07%, de 3,933% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 fechou com taxa de 5,96%, ante 5,754%, e a do DI para janeiro de 2027 subiu de 6,763% para 6,97%. Nos curtos, o DI para janeiro de 2022 fechou em 2,83% (2,753% no ajuste anterior).

O tom já era de cautela pela manhã com informações sobre divergências entre a área econômica e o Planalto sobre o Renda Brasil, que estariam segurando o lançamento do programa, mas o mercado estressou de vez no começo da tarde, após Bolsonaro dizer que havia suspendido o projeto. O presidente discorda do fim ou redução de programas sociais, como o abono salarial, como forma de financiar o benefício, mas vistos como necessários pela equipe econômica para não comprometer o teto de gastos.

No período da tarde, o Ministério da Economia negou que haveria convocação da imprensa para pedido de demissão do ministro Paulo Guedes. Segundo a assessoria de imprensa da pasta, Guedes "continua despachando normalmente".

Para o economista-chefe da Necton Investimentos, André Perfeito, o mercado procurou "uma boa desculpa para realizar". "Hoje o presidente ajudou neste processo ao comunicar de maneira desencontrada sua visão contrária ao desenho atual do Renda Brasil. O mercado sentiu o cheiro de piora das relações entre o Planalto e o Ministério da Economia e entrou no modo 'vendido' em Brasil", disse.

De todo modo, nem o quadro de apostas para a Selic passou ileso ao aumento das tensões. Segundo o economista-chefe do Haitong Banco de Investimentos, Flávio Serrano, a curva projetava nesta tarde 15% de chance de alta de 0,25 ponto para a Selic em setembro; 15% em outubro; e 35% de probabilidade em dezembro, num total de 17 pontos-base até o fim do ano. É difícil imaginar que o Copom comece a apertar a Selic tão cedo, num contexto de expectativas de inflação e de inflação corrente abaixo das metas e grande abertura do hiato do produto. "O risco de aperto monetário depende da política, porque tudo agora gira em torno do fiscal", disse Vieira.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Juros longos fecham em forte alta com temor sobre saída de Guedes e risco fiscal"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.