Economia

Juros fecham em baixa com comunicado do Copom e oferta menor no leilão do Tesouro

Da Redação ·

Os juros futuros fecharam o dia em queda com a sinalização do comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) e a oferta menor de títulos prefixados no leilão do Tesouro. O alívio se deu mesmo com o clima de aversão ao risco no exterior, mas com o mercado por aqui se apegando à indicação do Federal Reserve na quarta-feira de que os juros americanos devem seguir em níveis baixos até 2023. Após o Copom ter endossado o forward guidance de que não pretende reduzir o grau de estímulo monetário e não ter descartado a possibilidade de voltar a cortar a Selic após mantê-la na quarta em 2%, as apostas para aperto monetário nas próximas reuniões perderam um pouco de força na precificação da curva.

continua após publicidade

Boa parte das principais taxas terminaram nas mínimas, na medida em que o dólar ampliava perdas de maneira global. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 encerrou na mínima de 6,02% (6,124% na quarta) e a do DI para janeiro de 2027 também terminou na mínima, de 7,01%, de 7,123% na quarta. Nos mais curtos, o DI para janeiro de 2022 fechou com taxa de 2,82%, de 2,893% no ajuste anterior, e o DI para janeiro de 2023 fechou com taxa de 4,14%, de 4,254%.

De acordo com o Haitong Banco de Investimento, para o Copom de outubro, a curva projetava no fim da sessão 23% de chance de um aumento de 0,25 ponto porcentual na Selic, de 26% na quarta. Para dezembro, a probabilidade de alta de 0,25 ponto caiu de 48% para 35%. Até o fim do ano, a curva passou a precificar um total de 15 pontos-base de elevação, ante 19 pontos na quarta antes do Copom.

continua após publicidade

O mercado trabalhava nos últimos dias com a ideia de um comunicado mais conservador pelo BC, em meio à disparada dos preços dos alimentos e dos IGPS, mas os diretores relativizaram a pressão, classificando como temporária. Mesmo diante da piora do risco fiscal e da pouca evolução da agenda de reformas, o Copom sustentou no texto que "eventuais ajustes futuros no atual grau de estímulo ocorreriam com gradualismo adicional", evitando assinalar claramente que o ciclo acabou.

Para Paulo Nepomuceno, operador de renda fixa da Terra Investimentos, a manutenção da menção a uma reduzida chance de corte foi apenas "pró-forma". "O BC colocou por colocar. O mercado comprou sim a ideia da estabilidade e agora tenta precificar por quanto tempo a Selic vai ser mantida e qual vai ser o tamanho da paciência do BC com o fiscal", disse.

Outro fator de alívio foi que o Tesouro nesta quinta "pegou mais leve" com as ofertas de prefixados, de 43 milhões de LTN e 1,5 milhão de NTN-F na semana passada, para 19,5 milhões e 650 mil, respectivamente, nesta quinta.

O mercado desde terça-feira vinha se preparando para um volume maior e a leitura é de menor urgência para emitir, principalmente a qualquer preço. "Parece que o Tesouro ficou, de certa maneira, incomodado com a pressão que vinha colocando na curva e resolveu tirar a mão. De qualquer forma, acabou dando um olé no mercado, que esperava mais uma oferta considerável", afirmou o operador de renda fixa da Renascença DTVM, Luis Felipe Laudisio.