Juros fecham em alta com pessimismo sobre avanço na agenda no Congresso - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

Juros fecham em alta com pessimismo sobre avanço na agenda no Congresso

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

Os juros fecharam a sessão desta terça-feira em alta, tendência vista como a "natural" em meio à falta de medidas para suavizar o risco fiscal e aos sinais de aumento das pressões inflacionárias. Nesse contexto, na véspera de decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), a expectativa é de um comunicado com tom conservador, embora o consenso em torno de manutenção da Selic em 2% na quarta-feira siga intacto.

A taxa do contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 fechou em 3,44%, de 3,435% no ajuste anterior e a do DI para janeiro de 2023 subiu de 4,886% para 4,93%. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa de 6,670%, de 6,605%, e a do DI para janeiro de 2027 passou de 7,434% para 7,49%.

O estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, diz não ter havido nada específico para justificar a abertura da curva hoje, atribuída ao contexto geral negativo para a área fiscal. "Ao mesmo tempo, não temos nenhum fator positivo. O tempo está passando, o calendário vai ficando apertado e está evidente que o Congresso está voltado para as eleições. O debate sobre as reformas deve ficar para depois", disse.

Não por acaso, as taxas tocaram máximas à tarde, com declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que reforçam a percepção de que a agenda de reformas deve ficar parada nas próximas semanas.

Maia cobrou interesse do governo para se avançar com as pautas e criticou a obstrução da sessão pela base aliada. "Se o governo não tem interesse nas medidas provisórias, eu não tenho o que fazer. Eu pauto, a base obstrui, eu cancelo a sessão. Infelizmente, é assim", disse. Maia encerrou a sessão sem analisar as medidas provisórias (MPs) e o projeto de lei que trata do transporte de cabotagem, conhecido como Br do Mar. Uma nova tentativa está prevista para o dia 3.

O ritmo lento dos trabalhos no Congresso induz à percepção de que, mesmo sem mudança na Selic, o comunicado do Copom na quarta já deve ter ajustes em relação ao anterior, por exemplo fechando de vez a porta para um eventual corte futuro na taxa. "Há enorme expectativa quanto ao comunicado do colegiado, num momento em que as pressões inflacionárias de curto prazo e as incertezas no campo fiscal aumentam as apostas de que algum aperto do juro básico poderá já ocorrer no encontro de dezembro", disseram os economistas da Renascença DTVM.

Na curva, a precificação de Selic para o Copom de quarta-feira mostrava praticamente 100% de chance de estabilidade. Para a reunião de dezembro, indicava 68% de probabilidade de alta de 0,25 ponto porcentual. Os cálculos são do Banco Mizuho.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Juros fecham em alta com pessimismo sobre avanço na agenda no Congresso"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.