Juros fecham com taxas de lado, com mercado em compasso de espera pelo Copom - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Economia

Juros fecham com taxas de lado, com mercado em compasso de espera pelo Copom

Escrito por Da Redação
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

O mercado de juros começou agosto em ritmo lento, com liquidez baixa e pouca oscilação nas taxas, que estiveram desde a manhã até o fechamento rondando os níveis de ajuste anterior, mas com viés de alta imposto pelo câmbio. Na última hora de negócios, quando atingiram as mínimas, as taxas chegaram a zerar o discretíssimo avanço, mas sem forças para se firmar em queda. Dada a agenda de indicadores restrita e sem notícias de impacto em Brasília nesta segunda-feira, também não houve mudança no quadro de apostas para a Selic, com a curva mantendo cerca de 80% de probabilidade corte de 0,25 ponto porcentual esta semana.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2021, que melhor capta as apostas para a Selic nas reuniões do Copom em 2020, hoje o mais líquido, começou a semana do Copom girando 148,5 mil contratos, muito abaixo da média diária de 240 mil registrada nos últimos 30 dias. A taxa rompeu mais um nível, o de 1,90%, encerrando a 1,895% (mínima), de 1,903% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2023 fechou com taxa estável em 3,65%. E a taxa do DI para janeiro de 2027 encerrou a 6,06% (mínima), de 6,07% no ajuste de sexta-feira.

André Alírio, operador de renda fixa da corretora Nova Futura, afirma que em "condições normais", períodos de começo de mês costumam ser marcados por um certo apetite do investidor, o que não parece ser o caso desta vez. "Em início de mês, o direcional está mais para cima, há uma certa animação, mas este mês parece que o pessoal quer dar uma segurada diante das indefinições do cenário", afirma. Segundo ele, como o mercado já está bem posicionado para o corte da Selic, agora espera alguma sinalização do comunicado sobre os passos seguintes para montar posições, o que ajuda também a explicar o volume mais contido.

Entre as indefinições do cenário está a dúvida sobre o que terá mais peso na avaliação do comitê. Há sinais de retomada da economia sem pressões inflacionárias de um lado, mas também aumento dos riscos fiscais e a discussão sobre o limite inferior da Selic de outro, e tudo deve ser calibrado na linguagem do comunicado. "É realmente um jogo de xadrez, mas já com poucas peças para se movimentar", disse Alírio.

Na curva, a precificação apontava 83% de chances de queda da Selic para 2% na quarta-feira, ante 17% de probabilidade de manutenção. Para setembro, havia 32% de chance de queda de 0,25 ponto. Os cálculos são do Haitong Banco de Investimento.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Juros fecham com taxas de lado, com mercado em compasso de espera pelo Copom"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Todos os candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.