Economia

IRB Brasil RE tem prejuízo de R$ 229,8 milhões no 3º trimestre

Da Redação ·

O ressegurador IRB Brasil RE registrou prejuízo de R$ 229,8 milhões no terceiro trimestre, ante perda de R$ 19,7 milhões apurada em igual período de 2019. Em relação ao prejuízo obtido no segundo trimestre, de R$ 685,1 milhões, houve redução de 66,4%. Segundo a companhia, o resultado reflete a retomada do mercado segurador mesmo que a pandemia da covid-19 não esteja superada.

continua após publicidade

"Quando olhamos a operação, já excluindo os contratos descontinuados, observamos um lucro líquido de R$ 149,4 milhões no terceiro trimestre", disse o CEO interino da companhia, Antônio Cássio dos Santos, no relatório trimestral. Nos nove primeiros meses do ano, a empresa soma prejuízo de R$ 901,1 milhões. "O resultado reflete especialmente a aceleração nos avisos de sinistros internacionais, explicados pelo momento de incertezas na economia e na companhia", acrescentou Santos.

O ressegurador passou por uma reestruturação interna este ano, após serem identificadas irregularidades cometidas por ex-diretores e na divulgação de informações, que provocaram questionamentos da Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e ações na Justiça. O IRB instaurou uma investigação interna, para averiguar a responsabilidade dos executivos, a qual também foi questionada pela CVM. Os problemas do IBR começaram em fevereiro, quando uma carta pública da gestora Squadra apontou problemas nos resultados da companhia.

continua após publicidade

Os prêmios emitidos somaram R$ 2,975 bilhões no terceiro trimestre, ante R$ 2,298 bilhões no mesmo período do ano passado e de R$ 2,543 bilhões no segundo trimestre. Os prêmios retidos somaram R$ 1,524 bilhão e o prêmio ganho, R$ 1,545 bilhão no terceiro trimestre. Os sinistros retidos registraram resultado negativo de R$ 1,487 bilhão, contra resultado negativo de R$ 1,282 bilhão no terceiro trimestre de 2019. O resultado de "underwritting" foi negativo em R$ 392,6 milhões, contra um resultado negativo no terceiro trimestre do ano passado de R$ 233,7 milhões. O índice de sinistralidade total foi para 96,2% no terceiro trimestre de 2020, de 90,5% no mesmo período de 2019. No segundo trimestre deste ano, o valor estava em 135,3%.

O ressegurador reiterou que através da estratégia denominada "Re-underwriting", a companhia durante o terceiro trimestre revisitou todos os seus contratos com desempenho insatisfatório e com sinistralidades acima de 100%, tanto no Brasil quanto no exterior, com o objetivo de renegociar as taxas, reduzir exposição e/ou não renovação ou cancelamento dos mesmos.

Em relação às despesas gerais e administrativas no terceiro trimestre, o valor totalizou R$ 79,3 milhões, incremento de 44,7% em relação ao mesmo período de 2019. "Esse aumento decorre, principalmente, do impacto negativo das despesas relacionadas à PREVIRB (fundo de previdência), no montante de R$ 5,3 milhões, sendo que no terceiro trimestre de 2019 esse efeito havia sido positivo em R$ 15,1 milhões", apontou a empresa. No acumulado de 2020, as despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 228,5 milhões, avanço de 28,3% em relação a igual época de 2019.

"Estamos recuperando os resultados dentro do cronograma previsto e com o nível de transparência com o qual nos comprometemos. Acreditamos alcançar números positivos no próximo ano, com a melhoria de prêmios especialmente em grandes riscos, como nos setores de petróleo, patrimonial e rural", disse a empresa em seu relatório trimestral.