Economia

Indústria calçadista gera 20 mil vagas no ano e volta ao nível pré-pandemia

Talita Nascimento (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

A indústria calçadista brasileira gerou mais de 20 mil postos de trabalho entre os meses de janeiro e abril. Os dados, adiantados ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), foram elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) com base nas informações oficiais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O setor soma 286,28 mil pessoas empregadas, 16% a mais do que no mesmo período do ano passado. Com o número, o setor praticamente volta ao patamar do mesmo intervalo pré-pandemia, em 2019.

continua após publicidade

O presidente executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, ressalta que já são quase 40 mil postos a mais do que o registrado em abril de 2021. "Uma em cada cinco vagas de trabalho criadas pela Indústria de Transformação no Brasil veio do setor de calçados. Estamos experimentando uma recuperação importante, especialmente diante do aumento da demanda internacional", avalia.

Ele diz que, entre janeiro e abril foram embarcados ao exterior mais de 53,7 milhões de pares, 32,6% a mais do que no mesmo período do ano passado. "Para o ano, o setor calçadista estima um crescimento entre 1,8% a 2,7% na produção, para mais de 820 milhões de pares", projeta.

continua após publicidade

Estados

O Estado que mais emprega na atividade é o Rio Grande do Sul, que responde por quase 30% do total de postos gerados no Brasil. As fábricas gaúchas criaram 6,3 mil postos entre janeiro e abril e somam 82,16 mil pessoas empregadas. O número é 13,7% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.

O segundo Estado que mais emprega no Brasil é o Ceará, que criou 1,8 mil vagas no primeiro quadrimestre do ano. As fábricas cearenses encerraram abril com mais de 63,3 mil pessoas empregadas, 9% a mais do que no mesmo período de 2021.

continua após publicidade

Na terceira posição está a Bahia, que criou 3,5 mil postos entre janeiro e abril e soma 39,2 mil trabalhadores na atividade. O número é 31,3% maior do que o registro do mesmo período do ano passado.

Já São Paulo é o quarto colocado e registrou a criação de 4 mil vagas no primeiro quadrimestre, somando um total de 32,8 mil pessoas empregadas no setor calçadista. O registro é 22% maior do que o apontado no mesmo intervalo de 2021.