Economia

Ibovespa tenta garantir 100 mil pontos, mas espera por dados traz instabilidade

Maria Regina Silva (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Após alcançar o nível dos 100 mil pontos, o Ibovespa diminuiu o ritmo de alta. O ganho ainda é amparado principalmente pelo exterior. Aqui, merece destaque o ganho na faixa de 2% dos papéis ligados a matérias-primas, como Vale e Petrobras, na esteira das commodities. Após fechar em baixa de 0,11%, aos 98.924,82 pontos na sexta-feira, 22, às 10h57 desta segunda-feira, 25, o índice Bovespa subia 1,31%, na máxima aos 100.225,67 pontos.

continua após publicidade

O minério de ferro subiu 1,24% no porto chinês de Qingdao, em meio a estimativas de recuperação da atividade do país. Já o petróleo avança em meio ao dólar fraco no exterior.

Se a expectativa de alta do indicador da B3 para esta segunda for a dinâmica da semana, poderá voltar a fechar julho com elevação, após queda de 11,50% em junho deste ano. Além disso, seria o primeiro mês de julho do Ibovespa com ganhos depois de cair 3,94% naquele período de 2021. Um teste importante deve vir dos balanços.

continua após publicidade

Contudo, isso não significa esperar um pregão sem instabilidade. A agenda relativamente esvaziada nesta segunda-feira e a espera por uma gama de divulgações de peso na semana, sobretudo decisão sobre juros nos Estados Unidos, IPCA-15 no Brasil e balanços aqui e lá fora relativos ao segundo trimestre, principalmente das tecs americanas, podem provocar sobe-e-desce no índice Bovespa.

"Muito provavelmente, o Fed banco central americano dará uma alta de 0,75 ponto porcentual. Desde o último aumento, o mercado passou a pressionar para mais do que isso, só que o Fed se posicionou contra. E alta de meio ponto seria insuficiente. O que mais vai tranquilizar o mercado é a indicação de um Fed flexível aos números de inflação que saírem", avalia Felipe Reymond Simões, diretor da WIT Asset.

Na B3, o destaque é a temporada de resultados corporativos. Petrobras e Vale divulgam seus números na quinta-feira, após o fechamento do mercado. Antes da abertura, contudo, naquele dia, sairão os números do Santander abre seus números.

continua após publicidade

Para Felipe Paletta, sócio e analista da Monett, o interessante será ver como a inflação elevada teve impacto nos balanços no segundo trimestre. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumula alta de 5,49% no ano até junho e de 11,89% em 12 meses. "Veremos como as empresas estão enfrentando este cenário. A expectativa é vermos resultados acima do esperado, o que pode trazer otimismo, e como ficarão as provisões", diz.

Neste sentido, o mercado ainda ficará de olho em dados de inflação aqui e nos Estados Unidos. Nesta semana, tem o IPCA-15 de julho, que tende a desacelerar na margem e na comparação em 12 meses, mas ainda ficar acima de 11%.

Depois que o Fed divulgar o resultado da sua reunião de política monetária, na quarta, seguido de entrevista do presidente da instituição, Jerome Powell, na sexta-feira sairá o índice de preços de gastos com consumo (PCE) de junho do país.

continua após publicidade

Apesar da valorização do índice Bovespa e de estimar em seu cenário básico o indicador indo aos 115 mil pontos no fim do ano, Filipe Villegas, estrategista da Genial Investimentos, pondera que o cenário é desafiador.

Villegas, por exemplo, tem uma visão menos otimista em relação à China e consequentemente para o Ibovespa. Em seu pior cenário, vê o indicador da B3 indo para 95 mil pontos no fim do ano, basicamente motivado por um ambiente de juros subindo, crescimento menor do que o esperado na China e risco Brasil elevado.

"Dado este cenário bastante adverso, mais do que justifica o desempenho que o Ibovespa vem tendo, com falta de fluxo, e esse volume baixo pode continuar, com ausência tanto de investidor pessoa física quanto institucional. E olhando para o local, é um ano a ser conservador", diz ao lembrar das eleições e das incertezas fiscais.