Economia

Ibovespa fecha em alta de 1,47% e atinge maior patamar desde janeiro

Da Redação ·

O mercado acionário brasileiro teve dois momentos distintos nesta quarta-feira, que começou morna e cautelosa, mas terminou em alta firme. O Índice Bovespa chegou a cair 0,56% pela manhã, mas ganhou fôlego à tarde e atingiu máxima intraday acima dos 118 mil pontos, patamar que não era visto desde o final de janeiro. No fechamento, marcou 117.857,35 pontos (+1,47%). Em dia de vencimento dos derivativos do índice, havia expectativa com a reunião de política monetária do Federal Reserve, com a votação da Lei das Diretrizes Orçamentárias (LDO) e com o noticiário em torno da vacinação contra a covid-19 no Brasil, entre outros.

continua após publicidade

Operadores relataram que uma operação grande no mercado futuro de Ibovespa teve forte interferência no desempenho do indicador, uma vez que um investidor vendido em ações e comprado em índice futuro teria ido ao mercado comprar papéis para liquidar sua posição junto à contraparte. De fato, a escalada do Ibovespa começou justamente a partir das 15h, quando começa o período de ajustes para liquidação de contratos de derivativos. Naquele momento, o índice oscilava em torno dos 116.500 pontos. Na máxima, atingiu 118.178,44 pontos (+1,75%).

Para Ariovaldo Ferreira, gerente de renda variável da H.Commcor, a rolagem de contratos de derivativos do Ibovespa para 2021 também contribuiu para a melhora do desempenho do mercado, observando que o fluxo de recursos externos continua firme e assim deverá permanecer. "O próximo vencimento do índice com liquidez ocorrerá em fevereiro, quando já teremos iniciado a vacinação contra a covid-19 e teremos uma perspectiva mais clara sobre o andamento das reformas no Congresso", afirma.

continua após publicidade

Mas o noticiário da tarde também contribuiu para a puxada do indicador. Entre diversos pontos abordados na coletiva de imprensa, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que os estímulos monetários adotados pelo banco central americano, com destaque para o programa de relaxamento quantitativo, "estão na dose correta".

Por aqui, o destaque da tarde ficou por conta do Senado, que aprovou o projeto da LDO de 2021 em uma votação simbólica. Com isso, o Congresso conclui a análise da proposta e enviará o texto para sanção do presidente Jair Bolsonaro. A aprovação tranquiliza o governo, afastando o risco de shutdown orçamentário a partir de janeiro.

"Havia uma cautela grande antes da decisão do Federal Reserve e Jerome Powell confirmou que a instituição fará o que estiver ao seu alcance para incentivar a economia. Isso se soma ao otimismo com a vacinação que se inicia no mundo", disse Pedro Galdi, da Mirae.