Economia

IBGE vê pior momento do mercado de trabalho em mais de 1 ano de pandemia

Da Redação ·

O mercado de trabalho no Brasil vive seu pior momento em mais de um ano de pandemia, confirmou Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa de desocupação do País subiu de 13,9% no quarto trimestre de 2020 para um ápice de 14,7% no primeiro trimestre de 2021, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo IBGE.

continua após publicidade

"Aumentar a desocupação no primeiro trimestre de cada ano não é uma situação específica desse ano de 2021, é um comportamento relativamente esperado para esse momento do ano. O que a gente tem é que essa sazonalidade pode estar sendo reforçada pelo acúmulo que a gente vem tendo ao longo de 2020 de uma queda muito significativa de pessoas ocupadas, na medida que o tempo vai passando, e as pessoas passem a pressionar mais o mercado de trabalho em busca de ocupação", disse Adriana Beringuy.

O País registrou um recorde de 14,805 milhões de pessoas desempregadas no trimestre encerrado em março, 880 mil pessoas a mais em busca de uma vaga em relação ao trimestre encerrado em dezembro. Em relação a março de 2020, o número de desempregados aumentou 15,2%, 1,956 milhão de pessoas a mais procurando trabalho.

continua após publicidade

"Os que contribuíram para o aumento na desocupação foram as mulheres, foram pretos e pardos, e, em termos regionais, foram Norte e Nordeste do País", apontou Adriana.

Já a população ocupada somou 85,650 milhões de pessoas, 529 mil trabalhadores a menos em um trimestre. Em relação a um ano antes, 6,573 milhões de pessoas perderam seus empregos.

A taxa de desemprego só não subiu ainda mais porque a população inativa cresceu a 76,483 milhões de pessoas, 225 mil a mais que no trimestre anterior. Em relação ao mesmo período de 2020, a população inativa aumentou em 9,202 milhões de pessoas.

continua após publicidade

Considerando todos os subutilizados, faltou trabalho para um recorde de 33,202 milhões de pessoas no País no primeiro trimestre de 2021. A conta inclui as pessoas em busca de emprego, quem está trabalhando menos horas do que gostaria e poderia, além das pessoas que não estão procurando vaga mas estão disponíveis para trabalhar, como os desalentados.

Para Adriana, o avanço da desocupação e da subutilização é maior atualmente em função da crise no mercado de trabalho provocada pela pandemia.

"É uma conjunção de fatores. No primeiro trimestre, a gente tem a questão tanto da crise em si, que está comprometendo a absorção da mão de obra, e o momento que é propício ao aumento da desocupação", contou Adriana. "De fato, esse primeiro trimestre pode ser visto como um momento bastante desfavorável para o mercado de trabalho", acrescentou.