MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

Haddad: Nova relação entre Executivo e legislativo se reflete no Orçamento e é desafiadora

Em meio à ampliação do poder do Congresso sobre o Orçamento federal, que rendeu bate-boca acalorado entre parlamentares nesta semana, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que há uma "interface Executivo-Legislativo inteiramente nova", a qual fo

Bianca Lima, Fernanda Trisotto (via Agência Estado)

·
Escrito por Bianca Lima, Fernanda Trisotto (via Agência Estado)
Publicado em 22.12.2023, 19:38:00 Editado em 22.12.2023, 19:43:59
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

Em meio à ampliação do poder do Congresso sobre o Orçamento federal, que rendeu bate-boca acalorado entre parlamentares nesta semana, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que há uma "interface Executivo-Legislativo inteiramente nova", a qual foi herdada do governo anterior e agora precisa ser administrada respeitando a autonomia dos Poderes.

continua após publicidade

"É uma realidade que vamos ter de lidar, com a sensibilidade que o tema requer, porque ninguém quer criar uma crise entre os Poderes", disse o ministro durante café da manhã com jornalistas. Segundo ele, trata-se de um cenário "desafiador".

"Não digo como crítica. É uma dinâmica desafiadora, essa dinâmica orçamentária e a vinculação de despesas. A discricionariedade dá lugar, cada vez mais, à impostividade. E isso, para todo mundo que lida com Orçamento, é uma coisa difícil", afirmou o ministro, se referindo ao aumento, ao longo dos últimos anos, das emendas parlamentares impositivas, que são de execução obrigatória.

continua após publicidade

A Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2024, aprovada nesta sexta-feira no plenário do Congresso Nacional, prevê cerca de R$ 53 bilhões para todas as emendas parlamentares. O montante recorde só foi possível graças à desidratação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), uma das vitrines do governo do presidente Lula, que sofreu tesourada de R$ 7 bilhões.

A cifra inclui as emendas individuais impositivas (R$ 25 bilhões); as de bancada (R$ 11,3 bilhões, sendo R$ 8,6 bilhões impositivos); e as de comissão (16,6 bilhões, que foram reforçadas com recursos do antigo Orçamento secreto).

Além do aumento da impositividade, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), também já aprovada no Congresso, estipulou um calendário determinando que o governo empenhe o valor total das emendas impositivas no primeiro semestre do próximo ano, o que está sendo questionado pelo Executivo.

A alegação é de que se trata de tema inconstitucional e que invade as atribuições do governo. Nesta quinta-feira, o deputado Lindbergh Farias (PT-RJ) chegou a afirmar, no plenário da Comissão Mista de Orçamento (CMO), que está em curso um "golpe parlamentar contra o Executivo".

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Haddad: Nova relação entre Executivo e legislativo se reflete no Orçamento e é desafiadora"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!