MAIS LIDAS
VER TODOS

Economia

Haddad cita boas relação com EUA e China mas vê potencial brasileiro subestimado pelos dois

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, frisou que o Brasil mantém relações boas com Estados Unidos e China, mas ponderou que vê o potencial brasileiro subestimado pelos dois países."Em nenhum momento de conversa de Lula com Xi Jinping ou Biden pareceu de

Marianna Gualter e Eduardo Laguna (via Agência Estado)

·
Escrito por Marianna Gualter e Eduardo Laguna (via Agência Estado)
Publicado em 05.04.2024, 19:54:00 Editado em 05.04.2024, 19:59:34
Imagen google News
Siga o TNOnline no Google News
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.
Continua após publicidade

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, frisou que o Brasil mantém relações boas com Estados Unidos e China, mas ponderou que vê o potencial brasileiro subestimado pelos dois países.

continua após publicidade

"Em nenhum momento de conversa de Lula com Xi Jinping ou Biden pareceu desprezo pelo Brasil, mas a subestimação do potencial de parceria parece notável", disse o ministro, em evento da revista digital Phenomenal World.

A Alemanha, por outro lado, citou Haddad, tem um olhar hoje para a América do Sul com um apetite benéfico para os dois lados. O país, afirmou, vê o Brasil como um fornecedor de energia limpa, mas também como um parceiro que pode se reindustrializar sob premissas sustentáveis.

continua após publicidade

Haddad ponderou que o momento brasileiro ainda inspira cuidados, mas se tudo correr bem, o médio e longo prazo prometem ser bons para o País. "O Brasil vive riscos de solavancos de curto prazo, ainda temos um ambiente político interno que inspira muitos cuidados", disse o ministro, que defendeu que as instituições precisam estar mais afiadas. "Tivemos um bom 2023 desse ponto de vista, gostaria de chegar em 2024 com a mesma sensação."

Ainda sobre o cenário global atual, Haddad o classificou como desafiador e em certo sentido aterrorizante ao destacar o grau de novidade atrelado ao conflito entre Estados Unidos e China.

"A Rússia não podia fazer frente aos Estados Unidos do ponto de vista econômico e o Japão não podia fazer frente ao militar. Essa é a exclusividade do momento que estamos vendo", analisou o ministro, que salientou que ambos os países são parceiros importantes do Brasil.

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Icone FaceBook
Icone Whattsapp
Icone Linkedin
Icone Twitter

Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Haddad cita boas relação com EUA e China mas vê potencial brasileiro subestimado pelos dois"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.
    Compartilhe! x

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!