Economia

Guedes reitera que poderá antecipar benefícios para compensar fim do auxílio

Da Redação ·

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a dizer que poderá antecipar benefícios para compensar o fim do auxílio-emergencial. Como mostrou o Broadcast/Estadão, isso poderia ser feito com o 13º salário do INSS e o abono salarial. "Ano passado, antecipamos benefícios. O caminho está aí. Podemos antecipar benefícios sem violar teto, podemos fazer de novo", afirmou. "A cobertura do auxílio emergencial vai até fevereiro, temos até lá para ver", completou.

continua após publicidade

Para o ministro, esse ano foi "perdido" para a tramitação de PECs e privatizações.

Ele citou que o governo pode conseguir R$ 30 bilhões a R$ 40 bilhões com a venda da Eletrobras e R$ 15 bilhões a R$ 30 bilhões com a dos Correios.

continua após publicidade

Guedes disse ainda que o governo não vai carimbar uma proposta de reforma tributária que aumente impostos e que vai esperar ter um "eixo político" para apresentar as próximas fases de sua reforma tributária.

Até agora, o governo só enviou para o Congresso a unificação do PIS/Cofins, primeira parte de sua reforma "faseada". "É narrativa acientífica dizer que queremos aumentar impostos e recriar CPMF", completou.

Sobre o teto de gastos, Guedes alegou que o mecanismo serve como "proteção" aos mais pobres porque obriga o governo a fazer escolhas. "Pergunto, quem botou o teto fui eu? Estamos botando as paredes. Teto é uma denúncia de nossa incapacidade de controlar gastos", concluiu.