Mais lidas

    Economia

    Economia

    Guedes: País ainda sente sintomas de distorções econômicas das últimas décadas

    Escrito por Da Redação
    Publicado em 16.12.2020, 13:27:00 Editado em 16.12.2020, 20:31:02
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a economia brasileira atualmente ainda tem "sintomas" das distorções econômicas, como a alta carga tributária, de 10 anos de governo militar e 30 anos de social-democracia, períodos em que houve forte aumento de gastos.

    Guedes também voltou a dizer que a eleição do presidente Jair Bolsonaro foi uma vitória de uma aliança entre conservadores e liberais democratas, que defendem a economia de mercado.

    As declarações foram dadas durante discurso gravado na Conferência de Montreal, evento do Fórum Econômico Internacional das Américas.

    O ministro repetiu que o governo Bolsonaro "desarmou" o crescimento em "bola de neve" da dívida pública em seu primeiro ano, com o endividamento bruto caindo de 76,8% para 75,8% entre o fim de 2019 e de 2020.

    "Quebramos a dinâmica explosiva de gastos públicos e despesas com a dívida", disse ele, citando mais uma vez a reforma da Previdência, o congelamento de salários de servidores por três anos e a redução do pagamento de juros da dívida.

    Segundo o ministro, o governo deve reduzir em R$ 400 bilhões o custo do pagamento de juros da dívida em quatro anos. Em 2020, disse, foram menos R$ 120 bilhões.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Economia

    Deixe seu comentário sobre: "Guedes: País ainda sente sintomas de distorções econômicas das últimas décadas"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.