Economia

Guedes: alguns aconselham presidente a não fazer reforma administrativa

Da Redação ·

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que enquanto o atual governo estiver no comando, continuará tentando fazer reformas. "Claro que a classe política vai querer se desviar para as eleições 2022, não vão avançar muito o barco. Mas a função da Economia é continuar cutucando. Enquanto tiver bambu, tem flecha", disse, ontem em entrevista ao Opinião do Ar da Rede TV!

continua após publicidade

Guedes ressaltou que muitas pessoas ao entorno do presidente Jair Bolsonaro o aconselhando a não fazer a reforma administrativa. "Eu acho um equívoco brutal. Porque a nossa reforma administrativa é basicamente um filtro, uma meritocracia, uma criação de critérios para o futuro. Nós não precisamos atingir nenhum direito do funcionalismo público atual, mesmo porque eles já deram a contribuição deles durante a pandemia", afirmou.

O ministro citou que o governo controlou três grandes gastos e que agora, o quarto, são os precatórios. "Entramos e controlamos a primeira grande despesa, eram R$ 700 bilhões todo ano com a previdência, e crescendo de forma descontrolada. Entramos e controlamos essa despesa, demos previsibilidade para os gastos previdenciários, eles estão controlados."

continua após publicidade

De acordo com Guedes, o segundo grande gasto era com juros da dívida. E, conforme ele, o governo agiu da seguinte forma, reduzindo a dívida/PIB e mudando a magnitude. Segundo o ministro, foi feita uma dose fiscal mais forte para os juros não ficarem tão altos, o que levou à economia de R$ 100 bilhões por ano em juro da dívida e R$ 100 bilhões por ano em previdência. Além disso, mencionou mais R$ 160 bilhões em dois anos, R$ 80 bilhões por ano, com salário do funcionalismo. "Não faria sentido ter aumento de salário durante a pandemia", afirmou.

O ministro explicou que no caso desses R$ 16 bilhões, teve um impacto fiscal mais elevado do que se o governo tivesse feito a reforma administrativa. Segundo ele, essa reforma pode vir relativamente leve, tende a economizar R$ 30 bilhões por ano nos próximos 10 anos. "Então, ela está pronta para ser aprovada. Acho que a reforma administrativa dá voto", afirmou.