Economia

Fundo Advent compra 25% da Tigre por R$ 1,35 bilhão

Da Redação ·

O fundo Advent anunciou ontem a compra de 25% da fabricante de tubos e conexões Tigre, empresa com 80 anos de atuação no setor. O valor da transação foi de R$ 1,35 bilhão, montante que será aplicado integralmente nos planos de expansão da companhia nos próximo anos. É nessa expectativa de crescimento que os novos investidores estão apostando, tanto pela presença da Tigre no mercado norte-americano como pela alta do consumo interno desses materiais na esteira da implementação do marco legal do saneamento.

continua após publicidade

Segundo Felipe Hansen, presidente do conselho de administração da Tigre e integrante da terceira geração da família fundadora, a busca por um sócio foi motivada pela intenção de aproveitar essas oportunidades. "Não é uma discussão nova dentro da companhia, e é um caminho estratégico que sempre foi considerado. Vimos agora como um momento oportuno", diz Hansen.

O "namoro" com o fundo de private equity - que compra participações em empresas - durou seis meses até que o "casamento" fosse consolidado. Segundo Patrice Etlin, sócio do Advent, a Tigre está num grupo de empresas que o fundo considerava há tempos no topo das prioridades. O contato entre o fundo e a fabricante se intensificou ao longo da última década, já que a Tigre é uma das principais fornecedoras de materiais para a Lojas Quero-Quero, rede de materiais de construção que tinha o Advent como principal acionista até 2020.

continua após publicidade

Família

Até o aporte da Advent, a família Hansen era dona de 100% do negócio da Tigre. O banco Bradesco e o fundo de previdência Previ (dos funcionários do Banco do Brasil) chegaram a fazer parte do quadro societário, mas isso acabou em 2003, quando a família fundadora decidiu recomprar as ações dos sócios.

Segundo Hansen, os fundadores não querem perder o controle da empresa nem com a entrada no Advent nem em um eventual IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês). "Ser majoritário é uma prerrogativa da família, e não temos nenhuma intenção de sair do negócio. Ao mesmo tempo, é muito prematuro falar em um IPO", afirma.

continua após publicidade

O foco inicial de expansão da companhia a se dará nos Estados Unidos, onde a empresa adquiriu no ano passado a fabricante e distribuidora de tubos de PVC Dura Plastica Products, da Califórnia.

O presidente da Tigre, Otto von Sothen, afirma estar atrás de oportunidades de crescimento orgânico ou de novas aquisições naquele mercado, onde o setor é pulverizado em empresas de origem familiar, sem uma marca forte consolidada. O executivo também acompanha o pacote de infraestrutura anunciado pelo presidente Joe Biden, que deve movimentar até US$ 70 bilhões (mais de R$ 300 bilhões) somente no segmento em que a Tigre atua.

No Brasil, há expectativa de que o setor de tubos e conexões deva ficar com 15% dos mais de R$ 600 bilhões em investimentos previstos para o País como resultado de obras destravadas no âmbito do marco legal do saneamento.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.