Economia

Fintechs 'gringas' vêm para o Brasil disputar terreno com o Nubank

Lucas Agrela (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Após o Nubank conquistar mais de 50 milhões de clientes, fintechs do exterior abriram os olhos para o Brasil. É o caso de dois gigantes europeus que têm o País na mira e devem começar a atuar aqui nos próximos meses: Revolut e N26. Serão as primeiras grandes fintechs de fora a disputar o mercado com as startups brasileiras.

continua após publicidade

A Revolut é a maior delas, avaliada em US$ 33 bilhões e com mais de 15 milhões de clientes em 35 países. Fundada no Reino Unido, a empresa anunciou sua chegada ao Brasil a partir do 2.º semestre.

No mesmo período, a alemã N26 também deve iniciar suas operações. Será a segunda tentativa da empresa, avaliada hoje em US$ 9 bilhões, de entrar no mercado brasileiro - ela "ameaçou" chegar ao País em 2019, mas acabou desistindo em 2020, diante da pandemia de covid-19. O movimento não é incomum para a empresa, que se retirou recentemente dos EUA.

continua após publicidade

Tanto a Revolut quanto a N26 vão atuar no Brasil, inicialmente, como fintechs de crédito. Sendo assim, podem oferecer conta de pagamentos, cartão de crédito e financiamentos com recursos próprios. Com o tempo, planejam ampliar o escopo de serviços - e não descartam aquisições.

O foco inicial, porém, é no crescimento com recursos próprios, obtidos com fundos de capital de risco. Segundo dados da plataforma de informações financeiras Crunchbase, elas já captaram US$ 1,7 bilhão cada. Porém, o valor ainda é menos da metade dos US$ 3,9 bilhões recebidos pelo Nubank durante a fase anterior à abertura de capital.

As fintechs gringas chegam ao País em um momento delicado para o Nubank, que abriu capital em dezembro. Passado o sucesso do IPO, que levou a empresa a ser brevemente o maior banco da América Latina, hoje o neobanco é negociado a menos da metade do pico de valorização na Bolsa.

continua após publicidade

Além do Nubank, Revolut e N26 terão muita competição no mercado brasileiro, como o Banco Inter, C6 Bank, Neon e Original. A competição também vem dos grandes bancos, com o iti, do Itaú, e o Next, do Bradesco, além da conta digital do BTG Pactual.

"Vimos muitas startups nascendo no Brasil indo para o exterior. Essas empresas fazem o caminho contrário, e chegam com grande faturamento e muita tecnologia. São pesos-pesados que dependem menos do momento do País, enquanto a taxa de juros mais alta afeta a capitalização das empresas brasileiras", diz Arthur Igreja, especialista em inovação e professor convidado da FGV. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.