Economia

FGV: confiança da indústria cai 1,7 ponto em julho, a 99,5, após 3 altas seguidas

Marianna Gualter (via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 1,7 ponto em julho, após três meses consecutivos de alta, informa a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quarta-feira. Com o resultado, o índice atingiu 99,5 pontos. "O ICI volta a cair, influenciado pela moderação do otimismo empresarial quanto à evolução dos negócios ao longo do segundo semestre", avalia o economista do Ibre/FGV Stéfano Pacini, em nota. "As expectativas menos favoráveis parecem decorrer da perspectiva de manutenção de níveis elevados de inflação e de juros até o final do ano, além do aumento da incerteza política durante o período eleitoral."

continua após publicidade

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), por sua vez, teve alta de 0,9 ponto porcentual, a 82,3%, o maior nível desde março de 2014.

O recuo do ICI em julho foi puxado tanto pela avaliação do presente quanto pelas perspectivas do setor. O Índice de Situação Atual (ISA) cedeu 0,9 ponto, para 101,4 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 2,6 pontos para 97,6 pontos. Em julho, houve queda da confiança em 11 dos 19 segmentos industriais monitorados pela sondagem.

continua após publicidade

Nas aberturas do ISA, o indicador de percepção dos empresários em relação à situação atual dos negócios caiu 4,5 pontos, para 101,1 pontos. Já o indicador que mede o nível dos estoques cedeu 2,3 pontos, para 99,6 pontos, colocando os estoques em nível de equilíbrio - quando acima de 100 pontos, esse indicador sinaliza que a indústria opera com marca acima da desejável. O indicador que mede o grau de satisfação das empresas com o nível de demanda por produtos industriais, por sua vez, permaneceu estável em 102,8 pontos.

Entre os componentes do IE, o indicador que mede o otimismo com a evolução da produção física nos três meses seguintes caiu 7,8 pontos, para 95,1 pontos, e o que mensura a tendência dos negócios para os seis meses seguintes recuou 1,3 ponto, para 93,9 pontos. Em contrapartida, o indicador de expectativas de emprego nos três meses seguintes subiu 1,3 ponto, em sua quarta alta consecutiva, chegando a 103,9 pontos - o melhor resultado para o critério desde outubro de 2021.