Economia

Exportações de carne bovina caem 4% ante outubro de 2019, diz Abrafrigo

Da Redação ·

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) recuaram 4% em outubro na comparação com o mesmo mês de 2019, para 189.575 toneladas. Já a receita recuou 8% no período, para US$ 790 milhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 9, pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) com base em dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

continua após publicidade

No acumulado dos dez primeiros meses do ano, o volume de exportações ainda supera o do mesmo período de 2019 em 9%, chegando a 1,65 milhão de toneladas. A receita é 16% maior na mesma comparação: US$ 6,8 bilhões.

A China continua sendo a principal compradora - pelo continente e por Hong Kong. "Até outubro, as importações chinesas somaram 948.168 toneladas com receita de US$ 4 bilhões", informa a Abrafrigo em nota.

continua após publicidade

No mesmo período de 2019, o volume de importações do gigante asiático era de 625.256 toneladas e a receita era de US$ 2,64 bilhões. Só em outubro, a China importou 109 mil toneladas da carne bovina brasileira.

O segundo maior importador da proteína bovina brasileira em 2020 até aqui é o Egito, com 113.304 toneladas - recuo de 27,3% na comparação com 2019 -, seguido por Chile, com 71,5 mil toneladas (queda anual de 25,6%), e Rússia, com 51,2 mil toneladas (recuo anual de 16%).

Na quinta colocação, estão os Estados Unidos, que apresentam aumento expressivo nas compras em relação a 2019: 48.772 toneladas, avanço de 52,3%.

"A maioria dos países integrantes da União Europeia, outro tradicional cliente do produto brasileiro, também registrou queda nas importações", informa o comunicado da Abrafrigo. "No total, no acumulado até outubro, 82 países aumentaram suas compras enquanto outros 82 reduziram suas aquisições."