Economia

Expectativa para Selic no fim de 2022 permanece em 11,75% ao ano no Focus do BC

Da Redação ·

Após sinalização direta do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de que deve reduzir o ritmo de alta da taxa Selic no próximo encontro, os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para os juros básicos da economia no fim de 2022. A projeção continuou em 11,75%, conforme o Relatório de Mercado Focus, mesmo porcentual de um mês atrás. Mas, considerando apenas as 45 respostas nos últimos cinco dias úteis, a expectativa para a Selic no fim deste ano cedeu de 11,88% para 11,75%.

continua após publicidade

"Em relação aos seus próximos passos, o Comitê antevê como mais adequada, neste momento, a redução do ritmo de ajuste da taxa básica de juros. Essa sinalização reflete o estágio do ciclo de aperto, cujos efeitos cumulativos se manifestarão ao longo do horizonte relevante", disse o Copom, após elevar a Selic em 1,50 ponto porcentual este mês, de 9,25% para 10,75% ao ano.

O colegiado, porém, repetiu que irá perseverar na estratégia de aperto monetário "até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas", preocupado com o aumento das projeções de inflação e o risco de descolamento da inflação em prazos mais longos.

continua após publicidade

No Boletim Focus, o cenário para a taxa básica de juros da economia foi mantida para os anos seguintes. A estimativa do Focus para a taxa Selic no fim de 2023 continuou em 8,00%, ante igual taxa há quatro semanas. Para 2024, ficou em 7,00%, mesmo porcentual de um mês atrás. Da mesma forma, a previsão para o fim de 2025 continuou em 7,00%, repetindo a taxa de quatro semanas atrás.

Projeções mensais

As projeções mensais para a taxa Selic mostram que o mercado financeiro continua a esperar o fim do ciclo de alta dos juros básicos em maio, a 12%, conforme o Sistema de Expectativas do Banco Central.

A mediana aponta para uma alta de 1,00 ponto porcentual no próximo encontro, em março, a 11,75%, seguido de um aumento residual de 0,25 ponto porcentual em maio, para 12%. A taxa ficaria neste patamar até quase o fim do ano. Em dezembro, a estimativa mediana é de redução da Selic a 11,75%.