Economia

Educação financeira ganha relevância no cenário pós-pandemia, diz Febraban

Da Redação ·

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, afirmou que ações de educação financeira se tornam ainda mais relevantes no cenário pós-pandemia, que será marcado pelo aumento da inadimplência no Brasil. "Com a retração forte da economia, que vamos ter de 4% ou 5%, é inevitável que a inadimplência suba de patamar. Precisamos lidar com isso, bancos estão precavidos", disse ele, durante evento de lançamento do Programa de Aceleração Meu Bolso em Dia Febraban.

continua após publicidade

Ele lembrou que o setor bancário brasileiro fortaleceu suas provisões para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, em um movimento prévio à elevação dos calotes "diante da forte queda da economia, que já está contratada, de acordo com as projeções" de economistas.

O movimento foi feito em paralelo à uma forte expansão de crédito em meio à crise gerada pela pandemia. O presidente da Febraban lembrou que os bancos emprestaram R$ 3 trilhões, considerando contratações novas, renovações e suspensão de parcelas de dívidas feitas anteriormente.

continua após publicidade

"Fizemos a repactuação mais de 16 milhões de contratos com operações em dia, com saldo devedor de R$ 1 trilhão. Prorrogamos R$ 135 bilhões em parcelas, com carência entre dois e seis meses", acrescentou ele, mencionando ainda que os principais beneficiários foram pessoas físicas e pequenas e médias empresas.